O adeus da “Rainha do Rock’n’roll”

“É melhor viver dez anos de uma vida efervescente do que morrer aos setenta e ter passado a vida assistindo TV”.

 Há 41 anos, o mundo se despedia de Janis Joplin, dona de uma voz marcante e considerada a maior cantora de rock dos anos 60. A cantora e compositora norte-americana lançou apenas quatro álbuns – Big Brother and the Holding Company (1967), Cheap Thrills (1968), I Got Dem Ol’ Kozmic Blues Again Mama! (1969) e o póstumo Pearl (1971) – antes de ter sua carreira interrompida, aos 27 anos, vítima de uma overdose de heroína.

Conhecida como a maior cantora de blues e soul da sua geração, Janis Lyn Joplin foi vocalista da banda Big Brother and the Holding Company no fim da década de 1960, época em que esteve no auge de sua carreira. Depois disso, seguiu carreira solo, acompanhada por suas bandas de suporte Kozmic Blues e Full Tilt Boogie. Entre suas influências musicais estão os grandes nomes do jazz e do blues, como Aretha Franklin, Billie Holiday, Tina Turner, Big Mama Thornton, Odetta, Leadbelly e Bessie Smith.

Posso não durar tanto quanto as outras cantoras, mas sei que posso destruir-me agora se me preocupar demais com o amanhã.” (Janis Joplin)

 A cantora esteve no Brasil em fevereiro de 1970, na tentativa de se livrar do vício em heroína. Enquanto esteve aqui, Joplin protagonizou uma série de acontecimentos extravagantes: fez topless em Copacabana, cantou em um bordel, nadou nua na piscina do Hotel Copacabana Palace – sendo expulsa do hotel por isso -, exagerou na bebida e quase foi presa por suas atitudes “fora do normal”.

[stextbox id=”custom” caption=”Dica”]

Joplin se apresentou no segundo dia do Festival de Woodstock, 16 de agosto de 1969. Confira aqui a matéria sobre Woodstock produzida pelo Nexjor.

[/stextbox]

Alguns meses mais tarde, os problemas com álcool e drogas colocariam um ponto final em suas composições. Em 3 de outubro de 1970, Janis Joplin visitou o estúdio Sunset Sound Recorders, em Los Angeles, para ouvir o instrumental da música “Buried Alive in the Blues”, de Nick Gravenite. A gravação dos vocais foi marcada para o dia seguinte, mas a cantora não apareceu no estúdio. Por isso, o empresário da banda, John Cooke, foi até o hotel, onde encontrou Joplin morta. Ela foi cremada no cemitério-parque memorial de Westwood Village, na Califórnia, e suas cinzas espalhadas pelo oceano Pacífico. Postumamente, o álbum Pearl foi lançado e o filme The Rose, com Bette Midler, baseou-se em sua vida.

“A única coisa que se tem nesta vida e que realmente vale a pena são os sentimentos.” (Janis Joplin)

Ouça o playlist com alguns sucessos de Joplin:

[ultimate_free 14 /]