Da antiga Rua do Comércio à Avenida Brasil

A construção da ferrovia, em 1898 impulsionou o crescimento de Passo Fundo, atraindo novos moradores e comerciantes. A economia começava a melhorar e nos arredores dos trilhos e das estações a cidade ia se construindo e tomando forma. A atual Avenida Brasil, que naquela época era a Rua do Comércio, é um dos maiores exemplos,  o comércio e as casas seguiam a ferrovia da Rua 7 de setembro em direção ao bairro Boqueirão. Entre  os anos de 1925 e 1928 cerca de 631 prédios foram construídos acompanhando o desenvolvimento da cidade, levando assim o Intendente Municipal, o coronel Pedro Lopes de Oliveira a mandar construir o primeiro calçamento da cidade.

Abaixo seguem alguns das principais construções, que sobreviveram a modernização da cidade:

Hotéis em Passo Fundo [wpw_ba_viewer width=”auto” disable_intro=”false” alternate_skin=”true”] [wpw_ba_img src=”http://www.upf.br/nexjor/wp-content/uploads/2013/08/hotel-avenida-01.jpg” data_alt=”http://www.upf.br/nexjor/wp-content/uploads/2013/08/hotel-avenida.jpg” title=””] [/wpw_ba_viewer]Os principais hotéis da cidade forma construídos próximos a estação férrea. O primeiro foi o Hotel dos Viajantes, na Rua General Canabarro que com o seu apropriamento depois passou a ser denominado Hotel Petraco. Outro grande hotel foi o Internacional, logo na chegada da ferrovia. Em 1920 o hotel Avenida e Glória, com construções mais modernas para a época. Na foto acima observe onde era localizado o hotel Avenida.

Ponte “15 de novembro” [wpw_ba_viewer width=”auto” disable_intro=”false” alternate_skin=”true”] [wpw_ba_img src=”http://www.upf.br/nexjor/wp-content/uploads/2013/08/ponte-01.jpg” data_alt=”http://www.upf.br/nexjor/wp-content/uploads/2013/08/ponte-02.jpg” title=””] [/wpw_ba_viewer]A ponte sobre o Rio Passo Fundo foi inaugurada em 25 de novembro de 1903, com o nome “Ponte 15 de novembro”. Em 1926, o Intendente Armando Araújo Annes determinou que a ponte devia ser construída de concreto e alvenaria. A partir dai a nova ponte servia principalmente de acesso ao Matadouro Municipal.

 Prédio da Intendência

[wpw_ba_viewer width=”auto” disable_intro=”false” alternate_skin=”true”] [wpw_ba_img src=”http://www.upf.br/nexjor/wp-content/uploads/2013/08/prefeitura-01.jpg” data_alt=”http://www.upf.br/nexjor/wp-content/uploads/2013/08/prefeitura.jpg” title=””] [/wpw_ba_viewer] Construção iniciada em 1909 e concluída em 1911, trabalho realizado pelo imigrante italiano Luiz Ricci. Até 1930 o prédio abrigou a Intendência Municipal e a Prefeitura Municipal até 1976. Hoje abriga o museu Histórico Regional. Percebe-se um conjunto arquitetônico: a antiga Intendência Municipal, o Clube Dramático Passofundense, o Clube Pinheiro Machado elaborados pelo engenheiro civil Octalicio Ribas, construído pelos construtores João de Cesaro e Eduardo Bonesio e o empreiteiro João Langaro.

Casa Morsch

[wpw_ba_viewer width=”auto” disable_intro=”false” alternate_skin=”true”] [wpw_ba_img src=”http://www.upf.br/nexjor/wp-content/uploads/2013/08/casa-01.jpg” data_alt=”http://www.upf.br/nexjor/wp-content/uploads/2013/08/casa.jpg” title=””] [/wpw_ba_viewer] Localizada na Avenida Brasil esquina com a Rua 10 de abril a casa Morsch foi construída pelo imigrante alemão Guilherme Morsch entre os anos de 1972 e 1974. A residência era considerada umas das mais lindas casas da cidade na época.

“Casa Barão”

[wpw_ba_viewer width=”auto” disable_intro=”false” alternate_skin=”true”] [wpw_ba_img src=”http://www.upf.br/nexjor/wp-content/uploads/2013/08/casa-barão-01.jpg” data_alt=”http://www.upf.br/nexjor/wp-content/uploads/2013/08/barao.jpg” title=””] [/wpw_ba_viewer] A “casa do Barão” foi construída em 1865 e está localizada na esquina da Capitão Araújo com a Avenida Brasil.  Considerada na época a melhor casa da cidade, de alvenaria e com mobília nobre era conhecida também como “Solar Loureiro”. Construída por Antonio da Silva Loureiro, o Barão, que chegou ao Brasil em 1848, serviu como sua residência e comércio em Passo Fundo.  Barão trabalhou com comércio, criação de gato, sapataria, ramo de curtume, e artefatos de peles de animais. Sua notoriedade no município deve-se a fato de ser um cidadão ativo na sociedade, demonstrando suas posições políticas. Mas sua coragem ao se envolver em várias lutas sócias, inclusive defender a monarquia o levou a prisão e até ao exílio voluntário na Argentina, em 1893. Barão faleceu em 1919, com 84 anos. [stextbox id=”custom”]As diversas demolições que ocorreram na área central de Passo Fundo nos últimos cinco anos podem ser consideradas extremamente danosas à identidade do lugar e à preservação da história e cultura da cidade, pois anularam partes de um passado relevante para a compreensão da cidade atual. A ideia jamais é pensar em uma cidade estática, congelada, mas em um lugar que cresce e se regenera sem perder sua identidade. (ARGAN, 1995)  [/stextbox]