Na terra de los hermanos argentinos

Brasil e Argentina possuem uma rivalidade histórica, que vem desde o Tratado de Tordesilhas, em 1494 até no meio futebolístico entre Pelé e Maradona. Este ano a Argentina ganhou para o Brasil, fazendo de um hermano um papa,  Francisco ou Pancho como nossos Hermanos o chamam carinhosamente.

Toda essa rivalidade não impediu em nada a escolha do acadêmico de Artes Visuais da UPF, Tiago Veiga, 21 anos de escolher a Argentina para o seu intercâmbio. Foram 5 meses em Santa Fé, divididos em turismo, festas, tango, alfajores, mates, estudo e acima de tudo muito aprendizado e crescimento pessoal. Confira abaixo a entrevista que o Nexjor realizou com acadêmico:

Por que você optou pela Argentina?

Primeiramente, porque eu sempre quis fazer intercâmbio, e quando surge a oportunidade de um aprender constante em outro país não tem como deixar passar. Acabei indo para a Argentina, pois tem um convênio com a UPF, o qual você ganha a casa com água, luz e telefone pra receber chamadas, além de um valor em dinheiro, o qual consegue se alimentar pelo tempo que esta lá. Mas é muito boa e proveitosa qualquer experiência que tenha que sair de casa e aprender a a se virar na vida.

 Quais foram os lugares que você visitou?

Primeiramente fui a Buenos Aires, indo depois a Santa Fé (onde estudei), Córdoba, Villa Carlos Paz, La Cumbre, Cafayate, Jujuy, Tucumán, Salta… entre outras cidades, com diferentes paisagens montanhosas e desérticas.

Quais foram as maiores dificuldades? E os melhores momentos?

Penso que as duas maiores dificuldade são: primeiro chegar a um país diferente, com uma língua diferente e ter que se virar sozinho e segundo é ficar doente nesse país longe da família e amigos.

Os melhores momentos foram o compartilhar e aprender culturas diferentes. Saber como vivem na Colômbia, no México, no Chile, na França… pra minha área (Artes Visuais) é a melhor oportunidade de aprender, de conhecer e de ter o conhecimento do ser no mundo e do papel da sociedade no mesmo.

Tiago no Obelisco, Buenos Aires, Argentina.

Tiago no Obelisco, Buenos Aires

O aspecto cultural argentino que mais me chamou atenção é a educação, mas não só um ser educado com as pessoas, mas sim um ser educado culturalmente. As pessoas, além de sempre te dar a preferência (menos no trânsito), sabem da história do país, da época da ditadura, da história das esculturas, monumentos e casas antigas que tem nas ruas das cidades. Isso me encanta! Essa educação cultural que existe na Argentina.

O que você mais aprendeu realizando o intercâmbio?

Aprendi a ser um ser mais pensante, a saber transformar as dificuldades com a minha capacidade de lidar com os problemas, a saber controlar o dinheiro e tudo que necessitava pra comer e viver bem. Aprendi a conviver com 34 pessoas na casa de diferentes países do mundo. A respeitar as diferenças, tanto culturais como pessoais. Aprendi a viver, a conhecer e que a vida é um constante aprender!

O que você diria para alguém que está interessado em fazer intercâmbio?

Vai, vai, vai… só tenho isso a falar. O intercâmbio é uma oportunidade única de aprender em outro país, com outra cultura e outro pensar. Claro que o que aprendemos na faculdade é muito proveitoso e que precisamos dela para crescer, mas visitar o outro país é ótimo. Certamente uma experiência incrível, de crescimento próprio e pessoal e culturalmente.

Abaixo confira alguns registros de Tiago pela Argentina:

[nggallery id=134]