Uma maneira de espalhar a leitura

Deixar um livro em um lugar, para outras pessoas encontrarem, lerem e liberta-lo novamente, e assim gradativamente. Com esse processo, pode-se fazer com que esses livros sejam lidos pelo maior número de pessoas. Essa é a essência do Bookcrossing, uma maneira de compartilhar e difundir a leitura.

Os locais onde o bookcrossing é instalado sempre são locais públicos como lojas, restaurantes, bibliotecas e instituições de ensino, de fácil acesso e onde há uma estante identificada com cartazes.

O Projeto
O Bookcrossing foi criado por Ron Hornbaker em março de 2001 nos Estados Unidos. No Brasil, o movimento veio aos poucos através dos livros que viajaram o mundo e pelo site internacional do BookCrossing.com que ajudou a divulgar o movimento. O primeiro registro de usuário no país foi feito em novembro de 2001, e o primeiro ponto de Bookcrossing foi criado em 2007 em São Paulo, dai por diante vários outros pontos foram criados em diversos estados.

Segundo Helena Castello Branco, do Bookcrossing no Brasil, são mais de 10 mil pessoas cadastradas no país, sendo 664 do Rio Grande do Sul. O número de livros registrados no país ultrapassa a 100 mil.

bookcrossing_foto_matheus moraes_nexjor fac upf

Bookcrossing na UPF
O Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) é o primeiro ponto oficial de Bookcrossing do interior do Rio Grande do Sul. O projeto foi uma iniciativa de três alunos em 2012, e no ano passado se tornou parte do Projeto de Extensão do curso de Letras, chamado Autonomia e Letramento.

“Um livro em circulação vai gerar muito mais resultados positivos em uma sociedade como a nossa”, comenta a coordenadora do projeto professora Dra. Luciane Sturm. Segundo ela, mais de sete mil volumes já passaram pelas estantes do Bookcrossing da UPF. “A importância do projeto está relacionada ao fato de promover a leitura, sem preconceito quanto ao tipo de livro e quanto ao autor. A proposta de disponibilizar livros a quem quer que seja, a todo aquele que gosta de ler, que já é um leitor ou àquele que quer se iniciar como leitor,” destaca a professora.

Além de livros, o espaço disponibiliza também revistas, gibis, CDs, DVDs e outros materiais de leitura. A professora Luciane também comenta que o projeto pode motivar acadêmicos e outros professores que circulam pela UPF a criar pontos de Bookcrossing em suas comunidades.

Para conhecer o Bookcrossing da UPF, basta visitar o IFCH para libertar, escolher ou trocar seus livros. Aproveite, compartilhe e tenha uma boa leitura.