O poeta fingidor

”Tudo vale a pena quando a alma não é pequena”, você já deve ter lido esta frase, não é mesmo? Sabe quem escreveu? Foi Fernando Antônio Nogueira Pessoa. Um dos mais importantes escritores e poetas do modernismo em Portugal nascia há exatos 126 anos.

Pessoa dividiu sua vida entre Portugal e Africa do Sul, onde morou com sua família na infância e início da juventude. E foi na juventude que começou a escrever contos em inglês.  O poeta fingidor, como se autodenominava, criou vários heterônimos ao longo de sua vida. Os três principais são: Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos, cada um com uma personalidade. Segundo a professora de Letras, Vera Lúcia, Fernando Pessoa era uma espécie de vários poetas em um só ” ele colocava as suas angústias em cada heterônimo, cada um era um pouquinho de Fernando’’ afirma.

O ortônimo e os heterônimos de Fernando Pessoa

Álvaro de Campos
Era um engenheiro português de educação inglesa. Influenciado pelo simbolismo e futurismo, apresentava um certo niilismo em suas obras.

Ricardo Reis
Era um médico que escrevia suas obras com simetria e harmonia. O bucolismo estava presente em suas poesias. Era um defensor da monarquia e demonstrava grande interesse pela cultura latina.

Alberto Caeiro
Com uma formação educacional simples (apenas o primário), este heterônimo fazia poesias de forma simples, direta e concreta. Suas obras estão reunidas em Poemas Completos de Alberto Caeiro.

 

[stextbox id=”custom” caption=”Obras publicadas em vida”]

1918: 35 Sonnets

1918: Antinous

1921: English Poems I, II e III

1934: Mensagem

 

[/stextbox]

Morte

A saúde de Pessoa começou a se agravar em 1935. Neste ano foi hospitalizado com cólica hepática, causada pelo consumo excessivo de bebida alcoólica. No dia 30 de novembro do mesmo ano, o poeta solitário descansou, prematuramente aos 47 anos.

 

 

[stextbox id=”custom” caption=”Obras Póstumas”]

1942: Poesias de Fernando Pessoa

1944: Poesias de Álvaro de Campos, A Nova Poesia Portuguesa

1946: Poesias de Alberto Caeiro, Odes de Ricardo Reis

1952: Poemas Dramáticos

1955 e 1956: Poesias Inéditas I e II

1968: Textos Filosóficos

1973: Novas Poesias Inéditas

1974: Poemas Ingleses Publicados por Fernando Pessoa

1978: Cartas de Amor de Fernando Pessoa

1979: Sobre Portugal

1980: Textos de Crítica e de Intervenção

1982: Carta de Fernando Pessoa a João Gaspar Simões

1985: Cartas de Fernando Pessoa a Armando Cortes Rodrigues

1986: O Guardador de Rebanhos de Alberto Caeiro

1986: Primeiro Fausto

 

 

[/stextbox]