Intolerância ao Glúten: problema ou mito?

Você conhece alguém que é intolerante ao glúten ou que parou de ingeri-lo por opção?

Mesmo sem dados oficiais, estima-se que cerca de 300 mil brasileiros sejam portadores da Doença Celíaca, – ou Doença do Glúten – sendo no Sudeste a maior incidência de casos. Estudos também indicam que as mulheres são mais atingidas que os homens. Mas afinal, o que é essa doença? A Doença Celíaca é autoimune e afeta diretamente o intestino delgado, dificultando a absorção de nutrientes essenciais ao corpo humano. Segundo estudo da Universidade de Brasilia, além do consumo do glúten e da suscetibilidade genética, é também necessária a presença de fatores imunológicos e ambientais para que a doença se expresse. A mesma pesquisa afirma que a doença pode afetar qualquer órgão, não apenas o intestino, e que o aparecimento dos primeiros sintomas pode ocorrer em qualquer idade  e variar conforme as fases da doença, dificultando o diagnóstico.

Mas o que é o Glúten? Ele é uma proteína composta pela mistura de gliadina glutenina, e é encontrada naturalmente na semente de muitos cereais como trigo, cevada, centeio e aveia. É uma substância elástica, aderente, insolúvel em água, e principal responsável pela maciosidade de bolos, pães, massas de pizza e tantas outras delícias . O endocrinologista Dr. Hugo Lisboa explica por que a ingestão de glúten acaba interferindo na absorção dos alimentos. “A doença celíaca é uma doença imunológica e é piorada com a ingestão do glúten, pois ele reage com a mucosa intestinal e assim dificulta a digestão. Em muitos casos os sintomas podem ser diarreia e estufamento.”

gluten

A Doença pode ser dividida em três fases. A fase “clássica” se manifesta principalmente nos primeiros anos de vida e apresenta sintomas como diarreia ou constipação crônica, anorexia, vômitos, comprometimento do estado nutricional, irritabilidade, inapetência, deficit do crescimento, dores abdominais, anemia e atrofia da musculatura glútea.

Na fase “não clássica” os sintomas digestivos ficam em segundo plano e os pacientes podem apresentar manifestações isoladas como baixa estatura, anemia por falta de ferro, artrite, constipação intestinal, osteoporose e esterilidade.

A fase “latente” pode apresentar a atrofia  das vilosidades do intestino que são responsáveis pela absorção dos nutrientes alimentares. Com a retirada do glúten da dieta, elas voltam ao normal.

É preciso atenção, pois, a intolerância ao glúten está relacionada diretamente à Diabetes do tipo 1, Tireoidite, Vitiligo – que são aquelas manchas brancas na pele – Insuficiência Supra renal e outras doenças imunológicas que aparecem mais frequentemente juntas.

O glúten está presente em muitos alimentos do dia a dia de milhares de brasileiros como em massas, bolachas e pães. Por isso nas embalagens você pode observar a informação “CONTÉM GLÚTEN” ou “NÃO CONTÉM GLÚTEN”.  Mas não fique paranoico. Se você não apresenta sintoma nenhum, muito dificilmente tenha intolerância a ele.

COMO DETECTAR

Se você apresenta sintomas como diarreia, vômito, prisão de ventre, ou se sente estufado após a ingestão de alimentos, não faça cortes na alimentação ou siga dietas por conta própria, o mais indicado é procurar um médico. Conforme afirma o Dr. Lisboa, “O diagnóstico certo é feito por biópsia duodenal quando se encontra a atrofia das vilosidades intestinais que fazem a absorção de todos os alimentos. Além disso existem alguns anticorpos que podem ser dosados.”

COMO TRATAR

Depois do diagnóstico feito pelo médico e a constatação da doença, não existe outra maneira de tratar a não ser cortando o Glúten de vez da sua dieta alimentar. Para isso, fique ligado nos ingredientes que compõem sua alimentação e não tire os olhos dos rótulos e embalagens. O mercado disponível para os intolerantes ao glúten ainda é pequeno e os produtos costumam pesar no bolso, mas em muitas cidades já existem lojinhas especializadas em produtos naturais e que podem atender bem  a esse público.

FIQUE ATENTO

 Com a cultura da beleza e da vida saudável, muitos tem deixado de lado a pirâmide alimentar seguido seus próprios cardápios para chegar ao corpo e saúde perfeitos, sem procurar um médico ou nutricionista. Segundo o Dr. Lisboa, tem se tornado cada vez mais comum o diagnóstico caseiro e se instalado uma onda de que todo mundo é intolerante ao glúten e a lactose, e é preciso ficar alerta a isso. “Inventaram essa moda de que de repente todo mundo tem intolerância ao glúten e lactose. Deve-se ter um por que de investigar e tratar. Não se pode dizer que todo mundo tem intolerância e tirar o glúten de todo mundo, porque nós precisamos comer cereais integrais.”