Intervenção urbana: um modo de conscientizar Passo Fundo

Falta de educação, descaso de grande parte das pessoas e zona de conforto. Essas palavras classificam a situação dos lixos nas ruas de Passo Fundo, para Tales Gonçalves Visentin, de 18 anos. O autor dessas três colocações juntou-se a dois amigos e, por meio de uma manifestação, procurou conscientizar a população que descarta lixo de forma incorreta nas ruas da cidade.

Três jovens, uma missão: ajudar a cuidar do meio ambiente do município. Gabriel Da Silva e Luis Rodrigues, ambos de 20 anos, reuniram-se com Tales e promoveram uma intervenção urbana – baseada nos projetos que já acontecem em Porto Alegre – em forma de vídeo. ‘’Achei incrível o movimento, e decidi adaptar para Passo Fundo. Falei com meus amigos para filmar, com o objetivo de chamar a atenção das pessoas para a educação e conscientizá-las sobre o lixo na cidade’’, afirma Tales Visentin, estudante de Arquitetura e Urbanismo.

A manifestação do trio – que ostenta o nome de ‘’Calma! Tem uma lixeira aqui perto’’ – é oriunda de uma indignação latente do grupo sobre o comportamento dos passo-fundenses. ‘’O fato de jogar lixo no chão ser uma prática natural para as pessoas me deixa revoltado. E depois de ver a quantidade de resíduos nas calçadas, me indignei ainda mais’’, relata Visentin.

De modo prático, os jovens utilizaram da arte do graffiti para passar a mensagem à população. O cidadão atento que circula pela Avenida Brasil, Rua Independência, Morom, e alguns pontos de referência de Passo Fundo, como a Praça Marechal Floriano – famigerada Praça da ‘’Cuia’’, o coração da cidade – pode perceber no chão o recado de conscientização. O objetivo do grupo é despertar a atenção de quem caminha pelo centro, onde se concentra o maior número de habitantes.

De fato, o mundo seria mais agradável se cada cidadão fizesse a sua parte. No entanto, a realidade não condiz com esse panorama. Conforme Tales Visentin, o descaso das pessoas para tal situação foi um incentivo para realizar a intervenção urbana. ‘’Conheço muitas pessoas que reclamam muito da cidade, falam que é um ‘’lixo’’, tudo sujo, mas são as mesmas que não fazem nada para mudar isso’’, reclama o jovem.

Embora muitos cidadãos façam pouco caso sobre o dever de colocar o lixo no local correto, outros passo-fundenses apoiam a causa dos três amigos. Segundo Tales Visentin, as pessoas se manifestam a favor da conscientização, seja por meio das redes sociais ou nas ruas da cidade. ‘’É muito bom saber que as pessoas estão apoiando esse projeto’’, exclama o fundador do ‘’Calma! Tem uma lixeira aqui perto’’.

Luis, Tales, Gustavo

Luis Rodrigues, Tales Visentin e Gabriel da Silva são os fundadores do projeto ”Calma! Tem uma lixeira aqui perto”.               Foto: Arquivo Pessoal.

Exige-se tempo para mudar o rumo de um problema cultural. Entretanto, para isso, uma punição viável pode ser o caminho mais rápido de alterar esse cenário. De acordo com o jovem, até setembro deste ano, uma votação entrará em pauta na Câmara de Vereadores de Passo Fundo, com o intuito de multar quem descarta lixo no chão das vias públicas. ‘’A implicação de uma lei como essa deve existir e ser aprovada, pois, talvez, só com punições as pessoas mudem esse hábito’’, ressalta Visentin.

A ideia de Tales, Gabriel e Luis é reflexo da mudança de postura que grande parte dos passo-fundenses já deveriam ter tomado em relação ao meio ambiente. Uma iniciativa que almeja o sonho de ver uma cidade mais limpa e com a população ciente de que lugar de lixo é nas lixeiras, e não nas calçadas.