O esporte que levanta poeira

Evento de automobilismo traz campeões nacionais para a Universidade de Passo Fundo no próximo sábado (27/09)

Adrenalina, segurança e concentração. Palavras distintas que se unem quando se trata de Rallye. A competição, que reúne fanáticos por automobilismo e aventura, requer sincronização entre carro, piloto e co-piloto.

Nesse time, o navegador é parte fundamental no certame. Encarregado de passar informações e guiar o trajeto, ele alerta quando o piloto excede a velocidade ou anda muito devagar, além de reparar a média – tempo percorrido em cada trecho. E quem conduz a máquina, claro, deve mostrar extrema habilidade com o volante, principalmente em curvas acentuadas.

A preocupação com os trechos demonstra a confiança depositada no veículo. Por isso, segurança é a palavra-chave para quem gosta de sacudir a poeira em Rallye. O cinto e o extintor, que equipam os veículos normais, também são obrigatórios em carros dessa competição. O cinto, porém, com uma diferença: trancado por quatro pontos, para dar maior proteção a quem realiza o percurso. Os competidores graduados – acostumados com a competitividade – devem instalar no carro um Santo Antônio – famigerada ‘’gaiola de proteção’’ pelo rallyzeiros.

A emoção de acelerar nas estradas de chão cativou Rogério Perin, que participa de provas de Rallye há mais de 12 anos. O competidor é bicampeão brasileiro e não espera parar tão cedo. Mais do que um hobby, a prática esportiva tornou-se séria para o competidor. Perin é o coordenador da 6ª etapa do Gaúcho de Rallye de Regularidade e 1ª Copa UPF de Rallye, que acontece no próximo sábado, 27 de setembro, na UPF.

Passo Fundo tem uma história de Rallye de regularidade muito forte. Sem medo, eu digo que é uma das mais fortes do estado. Daqui surgiram competidores campeões estaduais e nacionais – explica.

Com orgulho, Perin é um dos principais responsáveis por trazer o Campeonato Gaúcho para Passo Fundo pela 26ª vez. A competição tem como característica a regularidade, na qual determina uma velocidade com média baixa, ou seja: vence quem conseguir manter a média estabelecida por cada trecho, e não aquele que percorre a estrada em tempo mais curto.

Por organização do Campeonato Gaúcho, a prova será divida entre duas etapas nos turnos da tarde e noite. A primeira largada, às 13h deste sábado, consiste em 20 quilômetros de deslocamento até o local de início da prova média, com 100 quilômetros de extensão. O turno da noite, no entanto, começa às 18h, e detém um deslocamento maior, com 30 quilômetros a serem percorridos. Os dois momentos têm duração prevista de três horas.

Com cerca de 20 participantes na 6ª etapa do Campeonato Gaúcho e um grid de 15 competidores na 1ª Copa UPF, as etapas serão separadas por duas categorias: os rallyzeiros e os estreantes. O último, como diz o nome, é para pessoas que não têm experiência em torneio de estrada de chão. Já os rallyzeiros são os experientes, com bagagem de participação em algum campeonato.

Aberto à comunidade, o Rallye na UPF espera o prestígio do público para embalar o próximo sábado (27/09) na base da adrenalina. Com o intuito de mostrar para o público a sensação de andar em um carro de Rallye, o Núcleo Experimental de Jornalismo gravou parte de um percurso à convite do organizador do evento, Rogério Perin.

Confira: