O som dos passo-fundenses nas ruas

Greve geral. Durante o dia 28 de abril, esta foi a principal pauta tratada pelos meios de comunicação do Brasil inteiro. Desde grandes metrópoles até cidades interioranas, o motivo que levou milhões de cidadãos para as ruas foi o mesmo: lutar pelos seus direitos e garantir as futuras gerações um país digno para o trabalhador brasileiro. As duas principais motivações para a paralisação geral foram as mudanças nas leis trabalhistas propostas pelo governo de Michel Temer e a reforma da Previdência (entenda mais sobre este assunto aqui!).

Na cidade de Passo Fundo, não foi diferente: durante o dia, dezenas de manifestantes fizeram várias intervenções, dos mais diversos tipos, em pontos estratégicos da cidade. A equipe do Nexjor foi as ruas acompanhar esta movimentação. Confira como ela se desenvolveu ao longo do dia.

 

Passo Fundo, 28 de abril de 2017, 7h35min

 

Manifestantes representantes do sindicato impedem a saída dos ônibus das empresas Coleurb, Codepas e Transpasso.

 

Passo Fundo, 28 de abril de 2017, 9h15min

 

Cidadãos se reúnem na Praça do Teixeirinha, no centro da cidade. O microfone fica aberto para manifestações.

Passo Fundo, 28 de abril de 2017, 10h05min

 

Empresas públicas e algumas lojas da Avenida Brasil manifestam apoio à greve geral.

Debate na Universidade de Passo Fundo sobre as pautas da Greve Geral e o fim da Filantropia, com o reitor da UPF José Carlos Carles de Souza e os advogados trabalhistas Júlio Ramos e Airton Rafael Bier.

Passo Fundo, 28 de abril de 2017, 10h40min

 

Manifestantes bloqueiam a Avenida Brasil nos dois sentidos.

 

Passo Fundo, 28 de abril de 2017, 12h05min

 

Os manifestantes permanecem reunidos na Praça Teixeirinha. Confira o depoimento de quem estava por lá:

“Sou a favor da greve geral: O futuro dos nossos jovens, precarização do trabalho, a reforma da Previdência e concentração de muito dinheiro nas mãos de poucas pessoas me trazem até a manifestação hoje.” – Rubem Luft, professor diretor da escola Adelino Pereira Simões, 63 anos.

 

 

 “Sou a favor das manifestações, com a Reforma das leis trabalhistas e da previdência, muitos direitos conquistados ao longo de muitos anos vão ser perdidos. Com a reforma da previdência, nós nunca mais vamos conseguir nos aposentar.” – Marli Schauler, professora aposentada, 60 anos.

 

 

“Sou a favor a Greve, por ser contra às reformas propostas pelo Governo e por esta manifestação ser um ato de cidadania” – Marcia Dalla Lana, psicóloga no conselho tutelar, 52 anos.

 

 

“Sou a favor porque tão tirando direitos dos trabalhadores com a reforma trabalhista, com a lei da terceirização e a reforma da previdência.” – Luciano Santos da Silva, vendedor, 41 anos.

 

 

“O Governo entrou nas costas de outros e agora quer cortar muitos direitos. Sou dependente de muitos remédios e já andei de cadeira de rodas. Este Governo está querendo nos matar, sou a favor da greve.” – Italino Bonissoni, instalador hidráulico aposentado, 67 anos.

 

 

“Estou aqui hoje, a favor das manifestações, porque não é a minha voz que está falando que estamos todos cansados e sim, a voz do Estado e do País.   É uma forma de dizer: ‘Ei, Presidente, eu não estou gostando disso.'” – Eulalia Nunes, Estudante de Teologia, 17 anos.

 

 

“Sou a favor das manifestações porque sou contra as reformas trabalhistas propostas pelo governo atual.” – Diego Winckler, 24 anos, vendedor.

 

 

 

Passo Fundo, 28 de abril de 2017, 13h45min

 

O sindicato dos comerciários e rodoviários continuam em frente ao portão da Coleurb, impedindo os ônibus de saírem das garagens. Não há previsão de saída dos ônibus no dia de hoje.

 

Passo Fundo, 28 de abril de 2017, 14h30min

 

Os manifestantes que anteriormente estavam junto aos sindicalistas na garagem da Coleurb se dirigem até a concentração na Praça Teixeirinha.

 

Passo Fundo, 28 de abril de 2017, 15h20min

 

É realizada uma aula pública na Praça Teixeirinha, ministrada pelo professor e sociólogo Ivan Dourado e pelo Deputado Estadual Juliano Roso.

Passo Fundo, 28 de abril de 2017, 16h05min

 

Os manifestantes se concentram na esquina democrática.

 

Passo Fundo, 28 de abril de 2017, 19h30min

 

Mais uma vez a Universidade de Passo Fundo promoveu um debate com o reitor da UPF, José Carlos Carles de Souza, o advogado e membro da comissão dos direitos humanos de Passo Fundo, Leandro Scalabrin e o professor de Direito da UPF Ipojucan Demétrius Vecchi.

 

 


 

Até o fechamento desta matéria (21:17) os ônibus de transporte público ainda não saíram das garagens. A previsão é que os serviços voltem ao funcionamento normal no sábado, 29 de abril.