Protestos ao governo Sartori

O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, trava uma batalha contra os professores da rede pública estadual de ensino desde o ano de 2015, quando o Estado começou a parcelar os salário de funcionários públicos. Desde então, atos públicos em protesto a gestão Sartori iniciaram por todo o Rio Grande do Sul, principalmente na capital.

O Sindicato dos Professores do Rio Grande do Sul (CPERS) determinou greve no dia 5 setembro em decorrência do parcelamento de salários. Segundo o governo Sartori, neste momento, será priorizado o pagamento dos servidores que recebem os menores salários.

Em entrevista ao TVE, o governador afirmou que: “a gente faz aquilo que é possível, nas condições que você tem. Mesmo que a gente tenha salário parcelado, foi possível que esse parcelamento quase não existisse. Todos os parcelamentos foram [pagos], no máximo, a última vez, até o décimo quinta dia”.

O CPERS anunciou numa nota publica em seu site, que o governo Sartori “está fazendo ameaças de cortar o ponto e demitir os contratados”. Para eles, “essa perseguição política e tortura psicológica mostram que Sartori não tem argumentos para convencer a categoria e a sociedade de que seu governo é benéfico para a população e a educação pública”.

Na noite desta segunda-feira (02/10), iniciou a 16ª Jornada Nacional de Literatura. Na sessão solene de abertura, diversas autoridades estiveram presentes, entre eles o prefeito de Passo Fundo, Luciano Azevedo, o Secretário Municipal de Cultura, Pedro Almeida, o deputado estadual, Juliano Roso e, representando o governador do Rio Grande do Sul, o Secretário Estadual da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer, Victor Hugo Alves da Silva. Em sua fala na abertura da Jornada, vaias e cartazes levantados como um grito de protesto e desaprovação ao governador, vieram do público, com alguns representantes do CPERS. Um dos coordenadores de debates da 16ª Jornada Nacional de Literatura, o jornalista Felipe Pena, desceu do palco e foi cumprimentar os manifestantes, com a frase: “Parabéns, vocês estão lutando pelo Estado”.