Um Direito para todos

É assim, que o procurador-geral de Justiça do RS, Fabiano Dallazen, acredita que o direito deve ser pensado por alunos, professores e todos os atuantes da área. O procurador é egresso da UPF e retornou a Universidade para uma conversa sobre “Direito, Justiça Criminal e Segurança Pública”. Na fala firme, durante a palestra que aconteceu no dia 16 de outubro, no átrio da Faculdade de Direito, Dallazen compartilhou seus conhecimentos com os acadêmicos que estavam presentes e destacou a importância de o Direito ser compreendido por todos, uma vez que “ele é um produto sociocultural”. E, ao se referir ao público presente, salientou que: “Nós temos, enquanto operadores de direito, uma responsabilidade social”.

“O Direito é um produto sociocultural”

Assim, professores precisam instigar nos alunos o contexto com a realidade social, fazê-los pensar, pesquisar e produzir esse Direito social. “Eles (alunos) têm que ter o preparo intelectual dos livros, mas também têm de vivenciar o direito na rua. O aluno tem que ir ao fórum, tem que atender as pessoas que precisam do direito do consumidor, do direito da saúde, ver qual é a realidade dessas pessoas”, ressalta Dallazen. É preciso enxergar onde o Direito está falhando e usar a Universidade para tentar criar soluções para as questões em que o Direito não consegue auxiliar.

Em grande parte da conversa, Dallazen também ressaltou a relevância do direito penal e da sua compreensão, destacando que “é importante que o direito penal seja visto como uma parcela, mas não como toda a luta”. O direito penal deve ser procurado quando todos os outros ramos do direito falham e guardá-lo para os casos mais graves é uma forma de lhe agregar valor. “Quando o direito penal tiver que atuar ele tem que ser forte, efetivo, não pode ser leniente, o valorizamos fazendo dele, justamente, a última razão”, finaliza o procurador-geral Fabiano Dallazen.