A realidade de imigrantes africanos que veem para o Brasil em busca de qualidade de vida.

“As pessoas mentem sobre como vai ser no Brasil, porque você acha que vai ter emprego, e ai você chega aqui e não tem.”

Estas são as palavras de Baka, um dos muitos imigrantes senegaleses em Passo Fundo. O imigrante deixou sua esposa e filhos no Senegal enquanto tenta ganhar dinheiro em Passo Fundo. “Sinto muita falta deles, trabalho aqui e mando dinheiro para eles lá, não consegui emprego fixo, trabalho aqui e ali, e acabo morando com outros senegaleses para economizar no aluguel”. Com dificuldade de falar português, Baka conta que achou que a vida no país seria diferente, e que por não conseguir encontrar emprego, tenta ganhar dinheiro vendendo nas calçadas da avenida.

Muitos imigrantes em Passo Fundo trabalham nas ruas vendendo roupas, produtos diversos e até mesmo passagens de ônibus.

O território gaúcho é um dos destinos dos imigrantes africanos no Brasil, principalmente o interior, devido ao custo de vida, menor que o das cidades grandes e da região metropolitana. O sonho de todos estes imigrantes é o mesmo dos europeus que chegaram no estado há quase 200 anos: conseguir um lugar ao sol, um porto seguro.

Em junho de 2017, o Rio Grande do Sul reunia 50 mil imigrantes, dentre os quais 8,5 mil eram haitianos e 4,2 mil senegaleses. A maioria dos africanos que vem para o Brasil tem dificuldades em arrumar emprego fixo. Alguns encontram nas fábricas e no trabalho operário sua fonte de renda. Deixando para trás seus diplomas para colocarem as mãos em produtos nas esteiras.

Os motivos para a imigração são muitos. Os conflitos armados do continente africano são apenas uma agulha no palheiro de crises humanitárias que influenciam o aumento do êxodo imigratório africano. Dados da ONU, apontam que em 2017 foram mais de 60 milhões de pessoas deslocadas pelas guerras e violências no planeta. No Brasil, segundo o Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), ainda em 2017 os imigrantes que mais buscaram refúgio foram do sexo masculino, somando 71% com idades entre 30 a 59 anos. Ainda de acordo com o Ministério da Justiça o país recebeu em 2017, 33,866 pedidos de refúgio, sendo 2.362 haitianos, 2036 angolanos, 1.221 senegaleses. Um destes imigrantes é Babu Gai.

Natural da Gâmbia na África, Babu Gai é morador de Erechim a 10 anos e assim como muitos, encontrou dificuldades em sua chegada para arrumar trabalho. Babu, que é formou-se em costura em seu país de origem, Gâmbia, criou seu próprio negócio no município do Alto Uruguai, a Babu Gai Alta Costura. Loja onde realiza desde pequenos retalhos até a confecção de roupas sob medida.

“Eu escolhi ir morar em Erechim, no Rio Grande do Sul, para buscar novos sonhos. Vai ser melhor para minha família. Meus pais já são falecidos e minha irmã ficou lá. Falo com ela por redes sociais, hoje sou casado e tenho um casal de gêmeos com minha esposa.”

Apesar das dificuldades, Babu já possuí seu negócio há sete anos em Erechim, “Quando cheguei aqui me olhavam estranho, pensavam que preto era bandido, e não é assim. Graças a Deus fazemos trabalhos onde as pessoas podem ver que viemos a trabalho e não para outra coisa. No início trabalhei em algumas empresas brasileiras da cidade, e depois só que pensei em montar meu negócio.”

Babu além de ter renome na capital da amizade, é também presidente da associação de africanos de Erechim. O comerciante conta que na cidade há poucos senegaleses e o que ele mais encontra são haitianos. “Quando resolvemos montar a associação, tinha mais de 100 africanos na cidade, agora tem pouco mais de vinte. Nós tínhamos a ideia de nos comunicar e melhorar o português nosso, todos tem empregos diversificados, desde vendedores ambulantes a acadêmicos de engenharia.”.

O Rio Grande do Sul também é destino de imigrantes de vários países, como os venezuelanos, que fogem da crise que assola o país.

Assim como os imigrantes 200 anos atrás, resta saber se os refugiados africanos também prosperarão no país, ou se serão apenas mais vítimas da jornada em busca de uma vida melhor.

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*
*