Jucelei Domingues e Schirlei Vaz, bibliotecárias da Rede de Bibliotecas da UPF

ABNT. Basta pronunciar essas quatros letras para que o desânimo se instale
entre estudantes, pesquisadores e outros tantos que vivem a iminência de
formatar o conhecimento sistematizado. Na universidade, os alunos concluintes
da graduação, por vezes, dedicam mais tempo à padronização do conteúdo no
papel, que às próprias descobertas e estudos realizados. Foi sob
considerações como essa que o grupo de bibliotecários da Universidade de
Passo Fundo sentiu a necessidade de estruturar oficinas e assim, colaborar
com um dos momentos de mais expressiva tensão da formação no ensino
superior. Desde o primeiro semestre de 2018, são oferecidas capacitações com
abordagens em três módulos: Normas ABNT, Base de Dados e Portal Capes,
Bibliotecas Virtuais. No primeiro ano de atividades, mais de 1.300 pessoas
passaram pelas oficinas. Só nas aulas referentes à ABNT, foram preenchidas
vagas em nove turmas, com capacitação de 62 participantes. No segundo
semestre de 2019, uma nova modalidade, Gerenciador de referências –
Mendeley, foi disponibilizada para inscrições. Em entrevista à Revista Com
Arte, as bibliotecárias, Jucelei Domingues e Schirlei Vaz, dão detalhes sobre
o funcionamento do projeto, as formas de adesão e a expectativa de
desmistificar a impiedosa fama atribuída à Associação Brasileira de Normas
Técnicas.

A ABNT deve mesmo ser encarada como uma grande vilã pelos
acadêmicos?

A prática de formatação de trabalhos de acordo com as normas da ABNT
requer atenção e boa memória. Não há necessidade de decorar, já que a
pessoa sempre pode recorrer à consulta na norma. Mas é preciso um pouco de
paciência, sim. Ocorre que, muitas vezes, as dificuldades podem estar mais
ligadas à forma correta de utilização dos programas de edição de texto – o
Word, por exemplo – do que à normatização. Nas oficinas, os alunos têm a
possibilidade de aplicar o que aprendem, diretamente na monografia, artigo ou
qual seja o formato da sua produção.

Quem pode e qual a forma de participar das oficinas da ABNT oferecidas
pela Rede de Bibliotecas da UPF?
A comunidade acadêmica em geral (alunos, professores e funcionários). As
datas e os horários estão disponíveis na página da biblioteca, com inscrições
gratuitas que devem ser realizadas, mediante preenchimento do formulário
eletrônico.

“Podem participar da oficina de ABNT alunos, professores e
funcionários da UPF. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas pelo site da
biblioteca, mediante preenchimento do formulário disponível on-line”. Jucelei
Domingues

Como as oficinas estão estruturadas quanto ao conteúdo e a sistemática?
As oficinas acontecem, normalmente, as segundas, quartas e quintas-feiras,
em turnos alternados – manhã, tarde e noite, no LCI – Laboratório Central de
Informática. Cada oficina tem duração de duas horas. Os materiais das oficinas
são disponibilizados para os participantes e encaminhados a eles também por
e-mail. No que diz respeito à ABNT, neste momento, trabalhamos na oficina os
conteúdos de Apresentação de trabalhos acadêmicos (NBR 14724),
Elaboração de referências bibliográficas (NBR 6023) e Apresentação de
citações em documentos (NBR 10520).

Para cada um destes módulos há uma norma diferente a ser considerada,
é isso mesmo?
Sim. É bom lembrar que a ABNT é o órgão responsável pela normalização
técnica no Brasil. Tem como função padronizar as técnicas de produção no país,
fornecendo base ao desenvolvimento tecnológico.

E como tem sido a procura por parte da comunidade acadêmica? A
demanda dos alunos ocorre de acordo com o esperado?
O nosso objetivo sempre é atender um número maior de participantes.
Trabalhamos com a divulgação das oficinas com cartazes espalhados e fixados
pelo campus e redes sociais como Facebook da instituição e Instagram
(@bibliotecas_upf), onde compartilhamos publicações com dicas de
normalização. Percebemos que houve uma evolução desde que o trabalho foi
iniciado, no ano passado. Ao que se refere às Normas ABNT, em 2018 foram
nove oficinas, com 62 inscritos. No primeiro semestre de 2019 realizamos
quatro oficinas, com 65 inscritos e tivemos mais cinco turmas agendadas por
professores, com 135 alunos, o que nos dá um total de 262 pessoas
orientadas. Para o segundo semestre de 2019, as inscrições ainda estão
abertas e a primeira oficina em Normas ABNT ocorre na quinta-feira, dia 12/09.
Todas as datas e horários estão disponíveis no link das oficinas no site
www.upf.br/biblioteca .

Aos alunos inscritos é oferecido certificado que possa ser utilizado para
comprovação de horas complementares?
Sim. É disponibilizado atestado de participação que pode ser utilizado como
horas complementares.

“Muitas vezes, as dificuldades podem estar mais ligadas à forma correta de utilização dos programas de edição de texto – o Word, por exemplo – que à normatização”. Schirlei Vaz

Quais as principais dificuldades apresentadas pelos estudantes?
Entender a estruturação de um trabalho científico, as citações e reconhecer o
que cada documento requer como padrão de referência diferenciado.

Que dicas podem ser observadas aos principiantes da iniciação científica
e qual a melhor recomendação aos que se preparam para o trabalho de
conclusão de curso?
Utilizem os acervos atualizados que são disponibilizados pela Rede de
Bibliotecas da UPF – bibliotecas virtuais, bases de dados e periódicos
eletrônicos. Além disso, é importante aprender a utilizar todos os recursos dos
editores de texto. Não deixar para definir a estruturação do trabalho somente
no final e, é importante lembrar que todos os documentos utilizados no
desenvolvimento do trabalho devem aparecer, portanto, anotar a fonte de
consulta, a chamada referência bibliográfica, é fundamental.

Camila Agostini

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*
*