O preconceito ligado a pessoas gordas ainda é insistente e pode se tornar fator de opressão em diferentes contextos. A mais recente Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico divulgada em julho desse ano pelo Ministério da Saúde mostra que taxa de obesidade no Brasil passou de 11,8% para 19,8%, entre 2006 e 2018. A pesquisa também reúne dados sobre o excesso de peso e conclui que mais da metade da população brasileira vive sob essa condição. Isso significa que mais de 100 milhões de brasileiros, neste momento, podem estar sofrendo por conta da GORDOFOBIA. 

Em 2017, estudo encomendado pela SKOL junto ao IBOPE Inteligência apontou que os comentários preconceituosos, mesmo que feitos sem perceber, ainda são reproduzidos diariamente pelos brasileiros. No Sul do país, “Ele (a) é bonito (a), mas é gordinho (a)” está entre as frases mais faladas pela população. 

O termo gordofobia ainda é considerado um neologismo. Mas o que existe por trás dele é, há muito, reconhecido de quem carrega o peso da discriminação e da intolerância. 

Camila Agostini

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*
*