Foto: Djiovan Carvalho

Exemplares do periódico O Exemplo estão disponíveis no acervo do Instituto Histórico de Passo Fundo

Por Camila Pellin e Franciele Moraes

Denunciar o racismo e divulgar a sociabilidade da população negra brasileira, mais especificamente gaúcha, no período pós-abolição. Esse era o motivo da existência do jornal O Exemplo, que se auto intitulava o Jornal do Povo, fundado pelo advogado e juiz, Aurélio Bittencourt, em 11 de dezembro de 1892. Na época, “o preconceito de cores, ferrenho e tacanho, imperava abusivamente […] Foi para lutar contra um erro da sociedade que esse jornal apareceu, devido aos esforços de muitos esperançosos e ávidos de justiça”, conforme frase retirada do próprio jornal na comemoração de 29 anos de existência.

Publicado semanalmente em Porto Alegre, O Exemplo circulou até 1930. No Instituto Histórico de Passo Fundo (IHPF), estão arquivadas seis edições do jornal. O historiador Djiovan Carvalho explica que “esses periódicos, da chamada imprensa negra, eram feitos, produzidos e editados por negros”, vice-presidente do Instituto. 

O conjunto de jornais chegou até o IHPF em 2018, no entanto, é possível observar a trajetória de acervo dele, aponta Carvalho. Em 1920, há 100 anos, Álvaro Porto Alegre, que era escritor, fazia a assinatura d’O Exemplo. Após a sua morte, através da então viúva Adercalise Porto Alegre, essas edições foram adquiridas pelo pesquisador e professor de história da imprensa gaúcha, Gabriel Pereira Borges Fortes. “Gabriel era um pesquisador da imprensa no interior do Estado, sobretudo, para entender o funcionamento dos jornais, os primeiros números, os tipos de publicações. Então ele acabou também unindo a pesquisa dele com uma espécie de colecionismo”, esclarece Carvalho. A família de Gabriel, há dois anos, doou a coleção dele ao Instituto Histórico de Passo Fundo, com mais de três mil exemplares de livros e outros periódicos encadernados, entre eles, as seis edições do jornal em questão. 

“Quando um grupo de pessoas, de comum acordo, propõe-se a lutar, visando o mesmo ideal, pouco, muito pouco alcançará nas suas aspirações se a seu lado não estiver a arma indispensável que é a Imprensa” O Exemplo, janeiro de 1921. 

Segundo Djiovan Carvalho, os exemplares do jornal contextualizam a época da Primeira República, de 1889 até o golpe de Getúlio Vargas em 1930, período de transição da população negra, que até então era escravizada e nesse momento torna-se “livre”. Esse foi um importante momento da história do jornalismo, pois é possível analisar quais assuntos pautavam a agenda jornalística e, deixam como legado, o papel da imprensa para a sociedade. Além disso, o doutor em História, José Antônio dos Santos, observa que ele também serviu de modelo  para outras iniciativas de fundação de jornais negros pelo interior do Estado. 

No Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul (IHGRGS), também há uma coleção d’O Exemplo, que carrega na lombada as iniciais D. B., que indicam que ela foi encadernada e mantida por Dario Bittencourt. Como afirma José Antônio, Dario era neto de Aurélio, e continuou com o legado da família ao assumir funções na direção do periódico em 1920, até o fechamento do jornal. “Ele guardou a coleção d’O Exemplo por toda a vida, nos legando preciosa fonte de pesquisa de aspectos inusitados da organização social e política da população negra sul-rio-grandense”, relata o Doutor. 

Em Passo Fundo, até o momento da doação, não havia nenhuma edição d’O Exemplo disponível. “Eles são uma fonte preciosa de informação pra gente compreender determinados contextos. Isso se soma quando se tem um jornal que é feito por e para uma população negra”, finaliza Djiovan. 

“Mais que uma folha literária, ‘O Exemplo’ é um órgão de combate” –  O Exemplo, janeiro de 1921. 

*Veja mais edições digitalizadas d’O Exemplo, disponibilizadas pelo Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul em seu site, na seção IHG Digital -> Hemeroteca Online.