Por: Emilly Lautert e Matheus Basso

A revista digital ComArte foi criada pelo professor Luciano Miranda entre os anos de 2005 e 2008. Atualmente ela é desenvolvida pelos acadêmicos do nível 7 do curso de Jornalismo da Universidade de Passo Fundo (UPF), durante a disciplina de Jornalismo e Mídias Digitais II. A cada semestre, conta com a orientação e a supervisão de um dos professores que compõem o corpo docente do curso e desenvolve uma série de conteúdos jornalísticos multimídia a edição.

Em 2008 a ComArte foi assumida pela professora Dra. Bibiana de Paula Friderichs que investiu na ideia inicial de que a revista tivesse uma função além da sala de aula. No fim, acabou tornando-se oficialmente a revista da disciplina, que na época era denominada Jornalismo Online.

O professor Me. Fábio Rockenbach foi um dos responsáveis pela ComArte como é hoje. Ele trabalhou a disciplina por mais seis anos e também foi usuário dela como aluno, na metade dos anos 2000. Segundo Fábio, na época era basicamente um repositório de textos da disciplina. Não havia trabalho com redes sociais.

Aliás, a própria ideia de usar redes sociais digitais para o jornalismo era iniciante. A ComArte passou a incorporá-las a partir do momento em que o Nexjor começou também a implementar um cuidado maior nas redes sociais da UPF, um trabalho que foi pioneiro em muitos sentidos e às vezes é pouco lembrado. Como a professora da disciplina era a professora Bibiana, também responsável pelo Nexjor, foi um passo natural que o site criasse suas redes e um trabalho paralelo fosse conduzido, tendo em vista que a adesão às redes nessa época também começava a se popularizar.

“Eu sempre vi a ComArte como um campo prático interessante demais em um momento do curso em que os alunos já aprenderam tudo o que tinham que aprender em termos de formatos e mídias”.

Professor Me. Fábio Rockenbach

A ComArte sempre procurou alternar entre o temático e as oportunidades. Quando havia oportunidade de um trabalho mais direcionado à cobertura factual, nas semanas em que na universidade ou no curso acontecia algum evento, era em torno dele que a produção era realizada. Em outros momentos, a produção, sempre voltada a abranger todas as mídias possíveis, era conduzida em torno de um tema, e na tentativa de simular uma redação a cada edição os alunos revezavam seus papéis e o tipo de produção, alternando-se entre editores, postadores, social medias e repórteres.

“É claro que há as particularidades do meio digital, mas por essa alternância de funções, eu sempre vi a ComArte como um campo prático interessante demais em um momento do curso em que os alunos já aprenderam tudo o que tinham que aprender em termos de formatos e mídias”, finaliza Fábio.

Durante o primeiro semestre de 2020, a disciplina teve como orientador o professor Dr. João Vicente Ribas. Neste período a ComArte se voltou para trabalhar a temática racial e as culturas negras, devido à emergência destas questões no jornalismo e na sociedade contemporânea. Coincidentemente, durante o trabalho o assunto se tornou um dos mais comentados na mídia devido às manifestações que ocorreram nos Estados Unidos.