Em meio a tantas internações e intubações de pacientes covid que tiveram uma parcela de seus pulmões comprometidos em função da doença, existe também a necessidade de tratamento posterior à alta hospitalar. Para aqueles que retornam das UTIs, a reabilitação pulmonar é um processo essencial para recuperação da qualidade de vida.

Os fisioterapeutas são os profissionais responsáveis por exercer essa função, como explica a professora de Fisioterapia da Universidade de Passo Fundo, Carla Wouters Franco Rockenbach. “As principais atividades desenvolvidas neste processo de reabilitação são direcionadas para o aumento da aptidão cardiorrespiratória, melhora da força muscular de membros inferiores, treinamento muscular inspiratório, exercícios de flexibilidade muscular e educação sobre saúde”. A fisioterapeuta ainda ressalta que a reabilitação de um paciente pós-covid é importante, pois, mesmo após a doença, eles ainda apresentam sintomas como dispneia, pouca tolerância ao exercício e às atividades da vida cotidiana.

Carla Franco Rokenbach é uma das coordenadoras do Laboratório de Ergoespirometria e Cardio-Pneumologia da Faculdade de Educação Física e Fisioterapia (FEFF)

Todas essas consequências posteriores da doença interferem na capacidade funcional e na qualidade de vida dessas pessoas. O curso de Fisioterapia da UPF oferece atendimento presencial, com horários mais restritos neste momento da pandemia, para esses pacientes. Segundo a professora, já foram assistidas cerca de vinte pessoas entre os atuais atendimentos e os que já passaram por lá. “Nesse contexto pandêmico, nossa profissão vem ganhando cada vez mais espaço e reconhecimento tanto no nosso meio profissional quanto na sociedade como um todo. É importante ver o espaço que estamos gradativamente ganhando no mercado de trabalho, e que com certeza a pandemia evidenciou de forma mais expressiva”, afirma.

Silvane Bonai da Rosa, de 40 anos, que o diga. Diabética e mãe de duas meninas, de 4 e 12 anos, a dona de casa começou a sentir os primeiros sintomas (perda de olfato e paladar), no dia 15 de setembro de 2020. No dia 19 do mesmo mês, realizou o teste no Cais Petrópolis de Passo Fundo e 3 dias depois já apresentava muita dor no corpo, tosse e falta de ar. “Fui de ambulância até o Hospital São Vicente de Paulo. Passei 15 dias entubada com hemodiálise no segundo dia e 8 dias na UTI já com fisio para tentar falar.” Silvane relata que passou mais 5 dias no quarto acompanhada de fisioterapeuta depois que saiu da UTI, totalizando 28 dias de internação.

Silvane ficou quase um mês internada por conta da covid-19 e está realizando sessões de fisioterapia na UPF para reabilitação

No dia 19 de outubro, a dona de casa recebeu alta hospitalar e no dia 6 de novembro iniciou a reabilitação na UPF. “Fiz teste de espirometria, teste de caminhada, sentar e levantar, subir escadas, força nas mãos e exercícios de respiração. Tudo parece muito fácil, mas só quem passou por essa doença sabe como isso tudo é muito difícil”, lamenta. Silvane também conta que, 4 meses depois, apresentou sequelas tardias da covid, como perda de memória, fibrose no pulmão, distúrbio do sono, menopausa antecipada e perda de 90% dos cabelos.

Ela segue com a fisioterapia todas as segundas-feiras na UPF e alega que o tratamento a está ajudando muito. “Achei que não iria mais voltar, fiquei muito debilitada tanto física quanto emocionalmente”, afirma quando relembra de seu período de internação. Ela agradece pela vida e pela saúde, que está retornando aos poucos, e faz um apelo para que as pessoas se cuidem e cuidem de seus familiares.

A aluna Fabíola Pinheiro, de 21 anos, participa desses atendimentos. Ela teve o primeiro contato com reabilitação pulmonar no 6º nível da faculdade na disciplina de Fisioterapia Pneumológica e, atualmente, está cursando o 9º semestre. “Até o momento, atendi 4 pacientes que já se recuperaram da covid. Já no primeiro contato com o paciente, são realizados testes para analisar as capacidades e limitações de cada indivíduo e, com base nisso, é desenvolvido um plano de tratamento e seus objetivos. Aplicamos exercícios de fortalecimento pulmonar, condicionamento físico e fortalecimento muscular”, explica. Fabíola ainda ressalta que as pessoas devem ter em mente que a Fisioterapia não é somente para reabilitar, mas pode ser aplicada para prevenir doenças e complicações do corpo.

Exercícios de fortalecimento pulmonar são importantes para recuperação e retorno da qualidade de vida

A estudante alega não conseguir expressar em palavras sua gratidão em ver seu trabalho tendo resultado e evolução, em ver os pacientes conseguindo retornar a suas atividades da vida diária. “Até o momento o paciente que mais me tocou foi um senhor de 66 anos com comorbidades que foi internado por conta da covid. Estava já programado para intubação e a fisioterapia interviu com exercícios. O mesmo não precisou ser intubado por este motivo. Ver ele falando o quão a Fisioterapia foi importante na vida dele me deu uma sensação de alegria e até esperança”, comemora a jovem.

Por Bárbara Dalamaria e Sabrine Paludo