A chegada da vacina contra a Covid-19, trouxe esperanças de que a pandemia está mais próxima do fim. No entanto, o número de contaminações voltou a crescer em 700%, entre janeiro e março, assim o país se encaminha para uma nova onda da doença. Por conta do isolamento social e das várias restrições impostas, o cuidado com a saúde, principalmente dos idosos que fazem parte do grupo de risco, ficou de lado. Eles diminuíram a prática de atividade física e de movimentos fora de casa.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda cerca de 150 minutos de atividade física por semana ou 30 minutos por dia durante cinco dias da semana, para adultos saudáveis e assintomáticos. Segundo a fisioterapeuta e instrutora de pilates, Josiéli Santos, de 32 anos, a prática de exercícios para pessoas da terceira idade pode ter uma frequência de 2 a 3 vezes por semana, nas atividades físicas, já no caso do pilates de 1 vez ou mais. 

A Fisioterapeuta e instrutora de pilates, Josiéli Santos, conta que idosos também podem praticar exercícios

Ela também diz que tudo depende do quadro clínico do paciente e cita o que impede a terceira idade de praticar certas atividades, sejam elas exercícios físicos ou pilates. Os mais comuns tem relação com a falta de acompanhamento médico, como a arritmia cardíaca sem controle clínico. Fatores como pós-operatórios e osteopenia (aumento do cálcio nos ossos) também são frequentes.

Josiéli explica que o pilates não tem contraindicações, independentemente do quão ativo ou patológico seja o idoso.  A prática do pilates vem auxiliando a saúde mental desse grupo: diminui a ansiedade, insônia, sentimento de insatisfação e insegurança. Além de se sentir bem e mais feliz. 

Se tratando da imunidade, tanto exercícios físicos quanto pilates, auxiliam de forma essencial para a saúde dos idosos. Mantém sua força, flexibilidade, equilíbrio, melhora quadros depressivos, diabetes, doenças cardíacas e, consequentemente, garante uma imunidade alta. “Quando o seu quadro e seu organismo está bem, funciona bem, a sua imunidade está bem também”, afirma a fisioterapeuta.

Diante do período de distanciamento social intenso, a prática de  atividades físicas em casa se tornam ainda mais necessárias. O intuito é tornar esse momento o menos dramático possível e permanecer com a saúde em dia sem sair de casa é um dos grandes objetivos de quem pratica pilates na modalidade online. 

Considerada uma atividade essencial, as clínicas que oferecem o serviço de fisioterapia e pilates não tiveram as portas fechadas pelas novas normas restritivas, apenas diminuíram sua capacidade de atendimento. Isso só é possível pelo fato de que esses espaços não são considerados academias e contam com fisioterapeutas invés de profissionais de educação física. É o que explica uma nota do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional.

Assim, fisioterapeutas e instrutores de pilates, como Josiéli, permanecem fazendo atendimentos presenciais e agora também de forma online. Erenita Maciel, de 58 anos, é uma de suas alunas, que ao descobrir um problema de saúde em 2013 recebeu recomendação médica para fazer exercícios, optando por praticar pilates. Mas, após um tempo, ela foi impedida pelo médico de praticar esses exercícios. 

A aposentada Erenita Maciel, de 58 anos, começou a fazer pilates após orientação médica

“Como eu gostava muito e sou teimosa, achei que não podia ficar sem fazer nada de atividade. Eu não poderia fazer nem corrida. Então decidi por conta própria não parar mais de praticar. Eu procurei uma clínica e levei meus exames, fiz uma avaliação e voltei a fazer pilates em 2016”, conta a senhora. Erenita, teve seus exercícios ajustados pelas instrutoras da clínica em que frequentava. No meio da pandemia, acabou mudando de cidade e viu nas aulas online uma oportunidade de continuar a praticar o que gosta, duas vezes por semana.

A prática de exercícios é muito importante na terceira idade, especialmente o pilates, por ter pouco impacto corporal e ser maleável ou ajustável de acordo com o limite de cada um. Neste momento de pandemia, onde muitos idosos se encontram isolados em casa para assegurar sua vida, a alternativa foi criar aulas online. A aula é feita por vídeo chamada e conta com toda a supervisão feita pelo profissional da saúde, seja o fisioterapeuta ou o educador físico.

“Se eu pudesse aconselhar eu diria que é maravilhoso. O pilates durante a pandemia ajuda as pessoas a terem um momento para si mesmas. Em casa temos o nosso próprio horário e podemos ficar mais à vontade, não tem desculpas. Ajuda a levar adiante a vida durante esse período”, comenta Erenita.

Além disso, ela espera que as aulas online não acabem quando tudo voltar ao normal. Diz ser uma forma benéfica tanto para clínica que descongestiona o fluxo de pessoas, quanto para as pessoas que estão em casa e querem sua comodidade.

A fisioterapeuta conta que esse modo de se exercitar em casa foi bem aceito por alguns, já por outros nem tanto. “Muitos alunos relatam falta de convívio com os colegas de academia ou com os colegas do pilates, até porque fomos criados para viver em sociedade” diz e acrescenta “as orientações passadas nas vídeo aulas são as mesmas passadas em aulas presencias”.

Boa parte de quem pratica pilates possui uma recomendação médica, são pessoas que tiveram ou têm algum tipo de doença. Esse também é o caso de outra aluna de Josiéli, Zaira Verardi, de 84 anos. A idosa conta que começou a fazer pilates em 2014, depois que ficou hospitalizada com guillain-barré (doença em que o sistema imunológico ataca os nervos) e perdeu todos os movimentos. Com a fisioterapia foi se recuperando e logo depois começou a fazer pilates. 

A idosa Zaira Verardi, de 84 anos, começou a fazer pilates depois de perder todos os movimentos do corpo

“A importância do pilates nesse momento de pandemia é enorme, estamos parados em casa sem poder sair. Ao menos com o pilates movimentamos o corpo. Enquanto tiver pernas eu vou fazer e enquanto a pandemia não passar eu continuo fazendo em casa”, afirma dona Zaira, rindo.

 A instrutora lembra que os cuidados com a saúde dos idosos não devem acontecer apenas na pandemia. “Exercícios físicos e pilates durante esse período de recolhimento domiciliar é de grande importância. Manter-se ativo na terceira idade é essencial para a qualidade de vida, não somente na quarentena como por toda a vida”, finaliza Josiéli.

Por Letícia Schneider e Sabrina Tagliari