Erechim, município localizado no Estado do Rio Grande do Sul. Conhecida como capital da amizade, a  cidade polo da região do Alto Uruguai gaúcho, conta com cerca de 107 mil habitantes segundo dados do IBGE de 2020. De acordo com a Constituição de 1988, o município está localizado em uma república federativa presidencialista, ou seja um sistema de governo adotado pelo Brasil no qual o prefeito lidera o Poder Executivo, sendo assim separado do Poder Legislativo e do Poder Judiciário.

Presidente do conselho de administração entre os anos de 1946 e 1947 
Crédito: Assessoria Câmara de Vereadores

O Poder Legislativo de Erechim, teve início no ano de 1920, dois anos após a emancipação do município, que ocorreu no dia 30 de abril de 1918. A primeira legislatura foi de 1920 a 1924, a segunda de 1924 a 1928 e a terceira de 1928 a 1930, sendo essa dissolvida pelo decreto de N° 19.398, de 11 de novembro de 1930, com ordem do Presidente Getúlio Vargas. Com essa Revolução de 1930, o Poder Legislativo passou a ser de exercício do Prefeito Municipal, sendo assim além de administrar o município fazia a legislação. Em 1934 houve a promulgação da Constituição Federal, fruto da Revolta Constitucionalista, separando o Poder Legislativo do Executivo, criando então a Câmara Municipal. Com o estabelecimento do Estado Novo, foi alterado novamente o Poder, ficando a cargo do Conselho de administração, entre os anos de 1938 e 1946.

Com a queda do Estado Novo, a democracia foi restabelecida e ficaram definidas então como Câmara de Vereadores. A primeira legislatura como Câmara de Vereadores iniciou-se em 1947 e o mandato foi até 1952, depois as legislaturas seguiram de 4 em 4 anos. Atualmente a Câmara Municipal de Vereadores é composta por 17 vereadores eleitos para mandato de quatro anos. A atual legislatura conta com: MDB 5 cadeiras; PSDB 3 cadeiras, PT e PSB 2 cadeiras cada; PP, PDT, PCdoB, Republicanos e PTB com uma cadeira cada. 

Em meados de 2014, as fotos dos ex-presidentes da Câmara tiveram um local especial na casa legislativa. As fotos que antes ficavam escondidas na sala da presidência, ganharam espaço na recepção e nas demais paredes da casa, por motivos de não ter mais espaço onde se encontravam. A galeria é uma forma de homenagear todos os presidentes que já passaram pelo ambiente legislativo e além disso manter um arquivo histórico daqueles que marcaram a carreira política no município. A primeira foto datada é do ano de 1935 contendo a foto de Germano Hoffmann. No total a casa conta com 52 ex-presidentes.

Galeria dos ex presidentes da Câmara, uma forma de homenagear a todos que já passaram pela Casa Legislativa
Crédito: Assessoria Câmara de Vereadores

Memorial Virtual 

Com objetivo de deixar a Câmara de Vereadores mais tecnológica e com acesso à pesquisa, um novo projeto iniciou neste ano. É o memorial virtual, um projeto audiovisual que ficará disponível na internet, contendo um breve histórico dos ex-presidentes e levando para a população informações que estavam guardadas nos espaços da Câmara. Como nos conta a idealizadora do projeto e presidente do legislativo de 2021, Ana Oliveira. 

Fotos dos ex-presidentes desde 1935 até 2020 já estão sendo digitalizados para o memorial virtual 
Crédito: Assessoria Câmara de Vereadores

Para a construção do memorial virtual, o setor de comunicação da Câmara de Vereadores participou das atividades, como explica a diretora de comunicação, Andreice Martins. “A construção do memorial virtual iniciou com a digitalização das fotos já existentes. A ideia é montar um material audiovisual. Durante esse processo me foi oportunizado conhecer, entender e admirar as pessoas que fizeram parte dessa história. E é o que esperamos que aconteça com esse projeto no futuro, que ele repercute e permaneça vivo por muitos anos informando e encantando quem buscar por ele”, conclui Andreice.

A diretora reforça também que o formato físico será mantido em outro espaço, porque ele faz parte da história. Com a digitalização e busca de dados concluídas, o próximo passo é entregar os dados particulares de cada ex-presidente aos familiares, como conta a presidente da casa. “Queremos entregar esses dados como parte da história de cada um. E quando digitalizamos essas fotos e dados, quando colocamos no site, estamos proporcionando a acessibilidade dos dados a toda a população. A proposta é esta, consolidarmos essa história através deste memorial”, conclui. 

Por Andressa Thomaz e Caendy Carvalho