Muito se fala hoje sobre saúde mental, quais os melhores métodos para ajudar a mente a estar em ligação ao corpo e como é importante cuidarmos dela tanto quanto da saúde física. Nesse contexto, algo que também é associado a essa questão é a prática de algum tipo de exercício físico. Em linhas gerais, exercitar-se de algum modo, por um determinado período,  faz com que a endorfina,sensação de bem estar gerada pelo corpo, melhora os níveis de serotonina e noradrenalina, que também são associados com os transtornos de ansiedade, por exemplo.

A busca por saúde e qualidade de vida tem sido uma preocupação da população em geral. O mundo enfrenta doenças chamadas “males do século” como a ansiedade, o estresse e a mais grave, a depressão.  Essas doenças são as causas de faltas, afastamentos e a carência de foco na produtividade, seja no trabalho ou nos estudos. E vão além,  pois perturbam o ambiente familiar e pessoal. Elas se desenvolvem por meses ou anos, com sintomas crescentes e permanentes, e a pessoa só percebe que está com algum distúrbio, quando está em um estado de moderado a grave.

As transformações atuais nos aspectos físicos, ambientais, sociais e psicológicos são grandes responsáveis pelo desenvolvimento de doenças. Neste sentido, a escolha de hábitos saudáveis, como a prática de exercício físico, seja um esporte coletivo ou uma simples caminhada podem contribuir para a prevenção e auxílio no tratamento de várias doenças, dentre elas os transtornos emocionais.

Como psicóloga, Karoline trabalha a Terapia Cognitiva Comportamental com seus pacientes.

Para se ter uma visão especialista no assunto, a psicóloga Karoline Barbisan explica que a interpretação da pessoa sobre uma  situação, muitas vezes faz com que ela acabe presa em pensamentos de catastrofização, tentativas de prever o futuro e outras distorções que aumentem a percepção do perigo. “Quando a pessoa está em um momento de ansiedade, ela está percebendo o ambiente como incrivelmente perigoso, e, o corpo entra em estado de alerta, pensando em todas as hipóteses para “fugir”. Ao fazer um exercício, a pessoa também tem o benefício de conseguir se focar em outra atividade, muitas vezes entrando no modo “não pensar””, diz. 

A revista americana The Lancet, realizou um estudo sobre a associação dos exercícios físicos e saúde mental. Ao todo foram analisados dados de mais de 1,2 milhão de indivíduos dos Estados Unidos, entre 2011 e 2015. As pessoas que se exercitavam tiveram 1,49 (43,2%) menos dias de saúde mental fraca no mês anterior do que os outros que não se exercitavam. As maiores associações foram observadas para esportes coletivos populares  como o ciclismo (21,6% a menos) e atividades aeróbicas e de ginástica (20,1% a menos), bem como durações de 45 minutos e frequências de três a cinco vezes por semana.

A correria diária exige esforços tanto físicos como mentais e isso prejudica os seres humanos e não  se consegue ter uma vida tranquila. A prática de atividades físicas, ou qualquer esporte, diminui essas situações de estresse do dia a dia e faz com que se tornem menores.

Em uma conversa com o educador físico Ronaldo Navarini, ele explica o que acontece  dentro do corpo quando incluímos algum esporte ou atividade física todos os dias da semana.  “Tanto nas alterações corporais quanto nas mentais, nós liberamos muitos hormônios durante qualquer prática de exercício físico ou esporte. Devido o aumento do fluxo sanguíneo nossa circulação melhora, nossas funções motoras e cognitivas melhoram e também há um melhor condicionamento físico, através disso a gente faz com que nossas atividades diárias se tornem mais fáceis de serem realizadas.”

A conexão mente-corpo é fundamental para o bem estar diário.

Navarini também acrescenta que a nossa sobrecarga mental e física se torna menor, justamente por nos mantermos ativos. “As práticas regulares de atividade física melhoram o nosso condicionamento mental e físico, revigorando ele através da oxigenação, condicionamento físico e circulação”.

“As práticas regulares de atividade física melhoram o nosso condicionamento mental e físico, revigorando ele através da oxigenação, condicionamento físico e circulação”.

ronaldo navarini, educador físico

Seja frequentar a academia três vezes na semana, praticar um esporte coletivo com os amigos ou simplesmente fazer um cooper pela manhã, a atividade física precisa estar presente no dia a dia, assim melhora  a saúde mental e ajuda no combate a ansiedade, estresse e outras doenças mentais que atingem o psicológico. Estar bem fisicamente pode-se tornar sinônimo de um melhor controle e equilíbrio mental. 

Por: Eduarda Lazzari e Isamara Baumgratz