Há muitos anos o skate é o esporte oficial de dezenas de jovens passo-fundenses. Por muito tempo, sem ambientes adequados para a prática, as ruas foram os principais palcos para as quatro rodas, criando a essência raiz do skate.

Contudo, praticantes do esporte abriram caminho para a consolidação da modalidade, buscando melhorias para que os usuários tivessem espaços apropriados e qualificados para andar de skate.

Um desses jovens foi o Michel S. Oliveira, hoje vereador, que teve a iniciativa em aprimorar as condições para os skatistas, fundando a Associação de Skatistas de Passo Fundo.

Michel S. Oliveira fundou e presidiu a Associação de Skatistas de Passo Fundo. | Foto: Ana Caroline Haubert

Confira a entrevista completa no vídeo:

SKATE NAS OLIMPIADAS

Em 2016, foi anunciado pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) que o skate, a partir de 2020, no Japão, seria um esporte olímpico. Porém devido a pandemia as olimpíadas aconteceram em 2021, e o Brasil saiu com três medalhas de prata para o skate.

Os medalhistas são Pedro Barros, na categoria skate park, Kevin Hoefler, na categoria street e Rayssa Leal na modalidade street.   Parece pouco, porém o Brasil é o segundo país com mais medalhas no skate nas olímpiadas, ficando atrás somente do Japão que conquistou, ao total, 5 medalhas.         

O skate nas olimpíadas é um importante reconhecimento para uma atividade que surgiu da criatividade de alguns jovens muito tempo atrás e hoje é uma indústria, com atletas profissionais do mais alto nível.

Por Ana Caroline Haubert e Fernanda Machado