“Desde quando eu entrei na ginástica, eu sempre quis ser ginasta, eu amo fazer ginastica, é um esporte que me cativa muito, e eu me sinto muito bem, eu sou muito feliz.

O esporte vai além de trazer benefícios para a saúde, por meio dele é construído histórias de vida e carreiras. Durante uma grande ou pequena trajetória, tendo em meio ao percurso quedas, derrotas e superações. 

O ponta pé inicial para quem vê no esporte uma profissão geralmente começa na infância. A atividade física é ainda uma ferramenta muito importante para a coordenação Motora, além da socialização, desenvolvimento de empatia, cooperação e atenção nesta fase, como destaca a Psicóloga Lucimara Gebert. 

Na infância em meio a livros de histórias, filmes e desenhos animados, sempre se tem uma inspiração ou profissão em que as crianças se espelham, ou até mesmo se imaginam. Para a atleta ginasta Flávia Saraiva, brasileira, mas conhecida popularmente como Flavinha, que iniciou sua trajetória no esporte aos oito anos de idade, tendo como suas inspirações atletas como as ginastas Jade Barbosa e Daiane dos Santos. Atualmente, ao 21 anos de idade Flávia frisa que: “eram pessoas que eu queria ser como elas. Treinar com elas e hoje em dia ser amiga delas é sensacional, é um sonho mais do que realizado.”

O sonho começou através de um projeto social da ex-treinadora de ginastica Georgette Vidor. Projeto este que fez com que ela tivesse o primeiro contato com a prática e não quisesse pensar em outra profissão além na ginástica. O esporte tem um cenário variado, seja nos gramados ou nas águas, no ar ou até mesmo em chão firme, o esporte requer esforços, foco e dedicação.

Atualmente Flavinha treina de segunda a sábado, de seis a sete horas diárias. Apesar de todo preparamento físico, o caminho ao pódio não isentam derrotas e lesões, “As derrotas e lesões são como um aprendizado não só na vida de um atleta, mas também na vida de pessoas que trabalham no seu dia a dia. Eu acho que isso fortalece a gente, e a gente aprende a ver o mundo com outros olhos”. 

A primeira competição veio aos 10 anos, e a partir desta começou uma rotina de competições. “O sentimento de derrota deve ser trabalhado desde cedo com as crianças. “, destaca a psicóloga Gebert.

Há situações em nossas vidas que não se pode programar, mas o que será feito diante de acontecimentos, é que vai fazer toda a diferença, “a criança precisa lidar com está frustação desde cedo, que isto faz parte da vida, saber conduzir estás ocorrências é importante para o desenvolvimento de qualquer pessoa, até mesmo para o relacionamento uns com os outros, comenta a Psicóloga Gebert.. 

A disciplina e dedicação no esporte são essenciais. Este ano a atleta Flávia representou o Brasil na Olimpíada Mundial 2020, que ocorreu em Tóquio no Japão. Durante uma das competições classificatória a ginasta sentiu uma lesão uma lesão em seu tornozelo direito, porém se recuperou a tempo da disputa. “Eu tive mais aspectos positivos do que negativos. Eu acho que o mais me marcou foi à superação. Por que eu acabei tendo uma lesão no tornozelo então isso me marcou muito, e porque eu consegui competir mesmo com uma lesão, isso me deixou muito mais forte de cabeça e de tudo mais. O ponto negativo a própria lesão mesmo, por que a gente não consegue fazer 100% do nosso trabalho, e foram cinco anos de treino, mas tudo bem acontece.”

Ao final da competição Flavinha, que participou na final da prova da trave na Olímpiada de Tóquio ficou na sétima posição. A disputa ocorreu no Centro de Ginástica de Ariake, capital de Tóquio. 

A vida de um atleta vai além de ter uma boa alimentação e realizar exercícios repetidamente, buscando aperfeiçoamento, estar bem psicologicamente é essencial para um melhor resultado. Para quem busca seguir no esporte ou até mesmo em outra área profissional Flávia deixa um conselho: “Corram atrás dos seus sonhos, dos seus objetivos, por que não é fácil, mas tudo que você almeja você pode conquistar com muito treino, com muita luta, dedicação, por que vale a pena. 

Além da expressão aplicar a “mão na massa”, cada ser humano tem consigo sua cultura e conhecimentos pessoais e profissionais que são agregados durante a vida. Na infância, temos pessoas que são nossas referências, inspirações, que resultam em nós uma identificação. 

Atualmente Flavinha é também conhecida como uma das inspirações no esporte, sabendo da importância disso, ela vê está situação como um aspecto positivo e ressalta: ” Saber que crianças se inspiram em mim é incrível, é uma sensação de muita gratidão, é vê que tudo está valendo a pena. “

Por Bruna Duarte