A solidão da pandemia fez com que as pessoas buscassem a adoção de animais, aumentando 13,5% em 2020, segundo o Instituto Brasil Pet, contando os meses sem pandemia e em pandemia. Porém, o número de animais abandonados ainda é enorme e é preciso acolher os pets para que possam viver em melhores condições. Mas as pessoas ainda resistem em adotar pets abandonados, tentando buscar um animal que seja idealizado com características prediletas ao gosto pessoal.

Isso não impediu que Flávio Benedetti adotasse dois cães e um gato. “A adoção deles foi super tranquila, sendo feito todos os cuidados necessários para a saúde dos animais”. O único dos pets que precisou de um cuidado maior, foi um dos cães, que foi resgatado da rua com baixo peso e poucos pelos no corpo. Ele foi levado ao veterinário, alimentado e hoje faz alegria do lar onde vive.

As ONGs de animais abandonados surgiram nesse contexto, um exemplo é a Associação Protetora dos Animais (ASPA) de Nova Bassano, que tem como lema “dar sem esperar nada em troca.” Fundada em fevereiro de 2014, o processo na ONG é simples, os animais chegam ou são recolhidos quase sempre em caso de abandono, não raras vezes maltratados, doentes ou machucados. Na entidade, recebem cuidados e logo após estão disponíveis para adoção.

Infraestrutura da ONG está localizada no interior do município, em terreno cedido pela prefeitura municipal. Foto: Arquivo ASPA

Segundo a voluntária da ASPA, Adriane Leithard, às vezes faltam medicamentos e assistência veterinária para castração aos animais. “Nós deixamos de doar muitos cães pelo fato de não serem castrados. A quantidade de animais doados seria muito maior se tivéssemos mais condições financeiras.”

Para Adriane, algumas pessoas tem certos preconceitos em adotar um animal abandonado. “Parece que eles tem receio de adotar no inicio, sem saber como funciona, mas quando conhecem os bichinhos pessoalmente percebem o quanto eles demostram carinho e necessitam de amor e cuidado.”

Como a ONG tem ressaltado, se você não puder adotar, ajude de alguma forma, seja com doação ou até mesmo recomendando a adoção para pessoas que tem interesse em ter um pet em casa.

O processo de adoção em ONGs ou abrigos costuma exigir alguns pré-requisitos básicos. É importante ser maior de 18 anos ou estar acompanhado de um responsável. É preciso passar por uma entrevista e assinar um termo de responsabilidade. Todas essas exigências visam conhecer o perfil do possível adotante e saber se ele está realmente pronto para assumir esse compromisso.

É importante afirmar também que os animais não são objetos e não devem ser dados como presentes a quem quer que seja. A pessoa pode amar os animais, mas não ter as condições adequadas para tê-los naquele momento. Tendo isso em mente e estando seguro sobre a decisão de adotar, você poderá fazer a diferença na vida de algum amigo de quatro patas.

Por: João Henrique Trojan e Tobias Betin