Você sabia que o resgate de animais tem muita coisa em comum com andar de bicicleta? O que deveria ser um hobby se tornou um propósito. Daniela Oliveira Mineto, Delegada de Polícia na Delegacia do RS, sempre gostou de se exercitar e de pedalar. Com isso ela entrou para o grupo de ciclismo Ventos do Sul, onde descobriu que nesses passeios em grupo acontecia muito mais do que exercício físico. 

Tudo começou quando a protetora e ativista do projeto Luciane Borowsky, solicitou ajuda para lar temporário de duas filhotes abandonadas, mal sabia Daniela que esse lar temporário em pouco tempo se tornaria definitivo. Porém, a decisão de permanecer com uma filhote foi em decorrência da outra que acabou fugindo e não foi mais encontrada, com isso a delegada se apegou a situação e soube que ninguém mais cuidaria tão bem da Dominique, agora adotada, quanto ela e sua família.

Daniela e Dominique.

Daniela fala sobre a sua relação com a Dominique, ela que já possui outra fêmea de raça e uma gata de estimação, cita as características da vira-lata. “Ela é mimosa, inteligente e dá carinho sem pedir nada em troca, é muito grata pelo resgate”.

Além de ser integrante do grupo de pedal, auxiliar com lar temporário e mantimentos, Daniela também exerce sua profissão e autoridade para cumprir esses resgates, que quando não são abandonados ou encontrados nas ruas, muitos donos que praticam maus tratos se recusam a entregar os animais. Um caso recente foi na cidade de Nova Alvorada, em que a Polícia Civil realizou uma ação onde uma cadela adulta da raça galgo foi encontrada em extremo estado de desnutrição com seis filhotes. Essa atitude solidária teve grande influência e apoio de Daniela e a ativista do grupo.

Daniela com um dos filhotes resgatados para adoção.

Mas para explicar o comprometimento do grupo, devemos falar como surgiu esse projeto e porquê a fundadora é tão engajada em manter os resgates. Luciane Borowsky iniciou na causa animal muito longe do pedal, quando uma fêmea de pequeno porte apareceu no portão da sua casa à noite, muito doente e quase sem pelos. Ela conta que não sabia o que fazer, então ligou para uma amiga e decidiu acolher para levar ao veterinário no dia seguinte. “A minha primeira resgatada é a minha cachorra, antes dela aparecer eu não enxergava animais na rua, eu olhei pra ela e achei que fosse um cachorro velho e cheio de doença”, relembra a ativista.

Luciane com os filhotes resgatados na ação da Polícia Civil.

Atualmente o Projeto Social Ventos do Sul conta com uma corrente enorme de parceiros e voluntários que auxiliam nos resgates, como os cachorros são encontrados durante a prática de ciclismo alguém sempre se disponibiliza para ir até o local de carro para recolher os animais. 

Integrante do grupo encontrando animais abandonados.

O projeto sobrevive de ajuda e de doações, onde a intenção é dar um final feliz para cada um dos animais que cruzam o caminho dos praticantes de ciclismo, para ajudar com mantimentos ou lar temporário e até um lar definitivo o projeto pode ser encontrado no facebook e instagram, as pessoas gostam de saber o que houve desde o resgate, o atendimento, a recuperação e até a finalização de adoção desses animais.

Por: Beatriz Menezes