A pandemia impactou a rotina e os hábitos de todos. Um dos pilares na vida de cada um é a alimentação. Como as pessoas passaram a ficar cada vez mais em casa durante o período pandêmico, o impacto que a alimentação teve pode ter sido para o bem ou para o mal, dependendo do caso.

Segundo uma pesquisa global sobre hábitos alimentares na pandemia, 50% dos brasileiros afirmaram estar consumindo mais frutas e verduras após a chegada da Covid-19. A pesquisa feita pela Herbalife Nutrition e One Poll, abordou 28 mil pessoas de 30 países (mil foram daqui). No geral, em todos os países notou-se aumento no consumo de frutas, verduras e legumes.

Mesmo assim, muitas pessoas ganharam peso durante este período. Foi o caso de Jean Brambatti, estudante de jornalismo de Passo Fundo. Jean, que mora sozinho, afirma que por receio de sair de casa, acabava não se exercitando e consumindo mais alimentos que o normal. “Como eu passava o dia todo trancado dentro de casa, eu apenas trabalhava e me alimentava, era inevitável não engordar”, afirma o estudante.

Além do sedentarismo por trabalhar todos os dias em frente ao computador, o estudante notou ainda que estava alimentando-se mal. Foto: Arquivo Pessoal

Após passar o período mais crítico da pandemia e já com uma dose da vacina, Jean está buscando se alimentar melhor e praticar esportes. “Passei a fazer caminhadas e corridas diárias, além de estar comendo mais frutas, legumes e verduras”, conclui.

Mas em casos que a Covid “atacou”, o corpo pode sentir na pele a força que esta doença tem. O engenheiro de produção, Mateus Barbieri, afirma que antes da pandemia não se preocupava tanto com seu corpo. Porém, ao perceber o aumento de peso e as sequelas causadas pela Covid-19, precisou mudar hábitos.

O engenheiro foi infectado pela Covid-19 em Fevereiro de 2021. Foto: Arquivo Pessoal

“Os dias isolados com Covid foram horríveis, sensação das piores que já senti, além de ter desenvolvido pressão alta após ter passado pela doença”, afirma o engenheiro. Mateus conta que começou a frequentar uma academia, além do cuidado maior com a alimentação.

“Precisei sentir na pele para valorizar mais a minha saúde. Agora me sinto muito melhor, com uma boa alimentação e bastante atividade física.”

Mateus Barbieri
Luana é pós graduada em nutrição clínica e funcional. Foto: Arquivo Pessoal

Para a nutricionista Luana Costa Souza, a pandemia contribuiu para as pessoas buscarem uma alimentação mais saudável e principalmente sair do sedentarismo. “Tenho notado as pessoas interessando-se mais por alimentos saudáveis e dietas balanceadas.” Para Luana, o ideal sempre é a junção de boa alimentação com atividade física regular.

A nutricionista reforça ainda a importância de manter os bons hábitos, mesmo após a pandemia. “Os bons hábitos alimentares e de exercícios físicos devem ser praticados de forma contínua para que seus benefícios sejam sentidos e para uma boa qualidade de vida, com pandemia ou sem”, finaliza Luana.

Por: Tobias Betin