O curso superior em jornalismo, muitas vezes é visto como dispensável pelas pessoas em geral, nas assessorias de imprensa, mais ainda. Não é raro que empresários, sobretudo os de médio porte, achem desnecessária a assessoria de comunicação, preferindo escalar um funcionário qualquer ou até estagiários.

Na política a assessoria também é negligenciada, sendo bastante deficiente e amadora na maioria das vezes. Saber lidar com as informações de forma humanizada é uma característica muito própria da formação jornalística com matérias tanto técnicas quanto de caráter teórico ou sociais. A graduação não forma comunicadores ou cientistas sociais, mas sim um profissional com bagagem abrangente para atuar nas várias áreas do jornalismo.

Marcelo atua na assessoria de imprensa desde 2019.
(Foto: arquivo pessoal)

Marcelo Andrade Biazutti, formado em jornalismo há quase 4 anos confirma isso: “Ajuda muito, a graduação é fundamental primeiro na capacitação dos profissionais para o mercado de trabalho e segundo, para uma formação social. O curso de jornalismo faz o profissional ter uma visão de mundo diferente e abrangente”.

Em seu trabalho de assessoria no município de Vila Lângaro, ele pôde conferir e aprender na pratica os desafios da assessoria de imprensa e só teve êxito graças a formação obtida na faculdade de jornalismo.

Por meio das técnicas jornalísticas, o assessor de imprensa aborda o conteúdo de forma mais naturalizada e dinâmica, construindo releases e clippings fartos para os veículos de imprensa e principalmente para a população em geral.

“Ajuda muito, a graduação é fundamental primeiro na capacitação dos profissionais para o mercado de trabalho e segundo, para uma formação social. O curso de jornalismo faz o profissional ter uma visão de mundo diferente e abrangente”.

Marcelo Andrade Biazutti

Essas atividades fazem com que exista um canal de diálogo muito forte do assessorado ao público-alvo. O assessor de imprensa e empreendedor da área, André Fábio Bresolin (gainsocialmediabr), reforça a importância do preparo profissional: “O jornalismo me ajudou a saber como falar nos veículos, produzir releases e principalmente, como me comunicar com autoridades politicas”.

André atua como assessor de imprensa desde 2020 no setor privado. Um ano depois, entrou na prefeitura de Casca. (Foto: arquivo pessoal)

Como geralmente existem poucos profissionais presentes dentro dessas instituições, o profissional de assessoria acaba participando ativamente de todas a cadeia de informação, da produção ate a interação nas redes. “é um trabalho corrido mas muito gratificante”, diz Bresolin, cuja rotina compreende além da prefeitura de Casca, uma série de freelances de empresas da região, desde supermercados até clubes de futsal.

“O jornalismo me ajudou a saber como falar nos veículos, produzir releases e principalmente, como me comunicar com autoridades politicas”

André Bresolin

Para Marcelo Biazutti, nas prefeituras do interior é interessante ir até as obras e as fotografar e descrever de forma criativa, pois os munícipes gostam de “ver a mão na massa”. Além disso, em municípios do interior, a falta de grandes eventos acaba forcando os profissionais a procurarem fatos que em outro contexto, passariam desapercebidos, conclui.

Por João Henrique Trojan e Tobias Betin