Não é raro, a maioria das mulheres, expressar que a sua menstruação é difícil, dolorosa ou incômoda. Entretanto, o que elas não sabem, é que isso não é considerado normal sentir esses sintomas antes e durante o ciclo menstrual. Com exceção do público feminino que apresentam problemas específicos nos ovários, no útero (endometriose, fibromas, quistos) ou tiveram uma infecção grave nesta região. 

Para a fisioterapeuta e osteopata, Raquel Presotto, às mulheres que sofrem de dores desconfortos como: enxaqueca, cólica, dor na lombar, apresentam alguma disfunção no seu corpo: “Sentir dor no ciclo menstrual não é normal. As mulheres que mostram esses sintomas podem ter algum problema no útero, no ovário, no intestino ou na bexiga”. Presotto também destaca a importância da osteopatia como uma aliada na melhora na qualidade de vida da mulher e facilitando todo o processo natural feminino, sem a utilização de analgésicos. 

A primeira avaliação da osteopatia é manual, específica e consiste em fazer perguntas detalhadas sobre a vida da paciente, tais como: se ela caiu, quebrou alguma parte do corpo, realizações de cirurgias. Segundo a fisioterapia isso é necessário, pois, precisa buscar evidências que possam causar pontos de tensões e desequilíbrios do corpo da mulher. Em média, é realizado de três a cinco sessões, sendo ser preciso um intervalo de uma semana para que o corpo possa se auto regular e se reorganizar, explica Raquel.   

Osteopatia

A osteopatia está presente no Brasil há mais de três décadas, mas ainda é pouco conhecida pelos brasileiros e somente profissionais da fisioterapia estão aptos para trabalhar nessa área. É um método de tratamento natural que visa trabalhar com várias articulações do corpo que são as partes: óssea, articular e neural. A osteopatia trabalha na regulação do corpo para ele funcionar normalmente como é esperado e não precisar de intervenções cirúrgicas ou medicamentos para tratar as doenças. 

Por Bruna Rebonatto