por Gillian Krein e Monalise Canalle

O Núcleo Experimental de Jornalismo é o local ideal para os acadêmicos colocarem em prática o que estudam na teoria em sala de aula

Experimentar: essa é a palavra de ordem dentro do Núcleo Experimental de Jornalismo da FAC/UPF. Já faz um tempo que jornalismo vive um período de constante mudança e aperfeiçoamento, tanto dos meios em que os brasileiros têm acesso a notícias, quanto das redes sociais. Por este motivo, os acadêmicos precisam acompanhar as transformações. E são com essas inovações que os estagiários e funcionários do Nexjor trabalham.

A busca por fazer diferente e estar à frente, sempre foi o principal objetivo dentro do Núcleo. A coordenadora do Nexjor, Bibiana de Paula Friderichs, explica, com entusiasmo um pouco sobre como surgiu o Núcleo Experimental de Jornalismo:

Segundo o Instituto Reuters, nos dias de hoje, cerca de 92% dos brasileiros acessam notícias apenas nas redes sociais. O gráfico abaixo ilustra as demais formas de recepção/acesso da informação mais utilizadas em nosso país. 

Como dito anteriormente, o online é o meio mais presente quando se trata de informações e isso reflete no fazer jornalístico e em como o ele é afetado com os avanços tecnológicos e como os profissionais da área precisam sempre se atualizar com as inovações que vem surgindo. O funcionário do Nexjor, Marcus Freitas, sabe bem como o Núcleo foi pioneiro em diversos sentidos no jornalismo da região e explica as principais mudanças que aconteceram:

Com alegria  e satisfação nos olhos a Coordenadora relembra algumas das pautas produzidas e as grandes coberturas que marcaram a história do Núcleo. Cada uma delas sempre realizadas com o cuidado de produzir conteúdos específicos para cada plataforma, seja online, impressa, rádio, vídeo, entre outras, porém, conversando com os públicos que nelas estão:

A equipe que trabalha de segunda a sexta, nos três turnos, não é pequena: são 04 professores, 03 funcionários e 12 estagiários que realizam coberturas e produzem conteúdo para redes sociais,  rádio, televisão e para o Blog. Quem já passou pelo Nexjor sabe que a experiência é transformadora, uma segunda faculdade para o futuro jornalista. Andrei Nardi foi um dos últimos estagiários que completou seus dois anos de Nexjor e hoje, não tem dúvidas quanto a diferença que o Núcleo fez na profissão que ele exerce hoje:

 

As equipes que já passaram por aqui, também deixaram saudades nos professores e funcionários. Confira algumas das equipes e ex-estagiários que já trabalharam no núcleo e que hoje, exercem a profissão que escolheram para a vida: jornalistas. Logo após você encontrará um vídeo produzido pelos professores do, carinhosamente chamado, Nex, para parabenizar a todos os estagiários, afinal, como o próprio vídeo diz:

Uma vez Nexjor, sempre Nexjor!

Mas, para quem pensa que por ser um Núcleo Experimental as coisas não são corridas, preste atenção no vídeo a seguir! Ele traz um pouco de como é o dia de uma das maiores coberturas desenvolvidas: a do Vestibular, além disto te apresenta o espaço oferecido, bem como, uma das tantas equipes que já passaram por esta “escola experimental”:

O Núcleo Experimental de Jornalismo é a oportunidade que todo estudante de jornalismo deseja para se aperfeiçoar através da produção de conteúdos e ao mesmo tempo aprender, com a ajuda dos professores e funcionários. Além de permitir uma experiência em todas as áreas para o acadêmico, desde o trabalho desenvolvido no blog e redes sociais até rádio e televisão. O Nexjor, juntamente com as disciplinas do curso de jornalismo, prepara profissionais que são capazes de atuar em todas as mídias.