Rodrigo se esforça para ganhar massa muscular

A prática de exercícios físicos se transformou em uma febre que não tem idade. O desejo de um corpo modelado e perfeito tem feito lotar as academias de ginástica. Tudo muito normal, hoje, mas o sinal de alerta é acionado quando a obsessão pelo excesso no treinamento com a expectativa de obter resultados em curto prazo. Essa questão estética reflete um transtorno de imagem, conhecido como vigorexia, uma das causas do excesso de treinamento muscular.
O reflexo das gotas de suor que escorrem pelo rosto em tom de vermelho, é de Rodrigo Pontes. O jovem, de 24 anos, é estudante de Engenharia Civil, e está na última sessão do treino que faz transparecer seu esforço. Pontes é entusiasta com a prática da musculação. “Sinto necessidade de treinar diariamente, sem a academia meu dia fica vazio”, conta.
Esse vazio surge pela criação de uma rotina. Assim como Rodrigo, há 07 anos que Katiusca Brava treina todos os dias da semana e conta que ir na academia se transformou em um hábito. “Com o passar dos anos se tornou um hábito, considero o treino um esporte para manter-se, em primeiro lugar saudável e consequentemente mais bonita”, conta a empresária.
O excesso de atividade física e a consequente dependência do treino, conforme explica o professor de Educação Física e instrutor de academias, Jeferson Bassi, é chamado vigorexia. “Esse distúrbio é quando a pessoa não percebe quando ganha evolução muscular, e acaba por exagerar muito mais nas suas atividades”, esclarece o instrutor.
Nessa situação o profissional precisa auxiliar o aluno e o fazer entender que apresenta o distúrbio. “A intervenção do profissional é muito importante e pode ser feita junto com o aluno pela periodicidade do treinamento e a medição da evolução muscular”, enfatiza Jefferson.

A instrução e acompanhamento dos alunos é importante na academia

O perigo dos vídeos de treinamento nas redes sociais

A falta do acompanhamento de um profissional na prática do exercício, e a crescente onda de vídeos com treinamentos divulgados nas redes sociais estimulam esse vício, que está intimamente ligado com o transtorno de imagem, sendo que a imagem corporal é definida como uma representação que a pessoa faz sobre o seu corpo. “Hoje a divulgação de vídeos por fisiculturistas e personal trainers, que às vezes nem são formados em Educação Física, influenciam a prática de exercícios que não são cabíveis para quem está começando a treinar, ou para quem não tem um nível estrutural para aguentar determinada carga de treino”, diz Bassi.

Katiusca tem cultivou o hábito de treinar todos os dias da semana

Moderação e saúde
O empresário Marcelo Anacleto está há seis meses focado em ganhar massa muscular e perder as calorias indesejadas. “Entrei em uma onda de sedentarismo muito grande e estava me sentindo muito mal, com dores e cansaço, e de uns tempos para cá eu sentia necessidade de treino”, lembra Anacleto.
O resultado dos treinos junto com o instrutor é analisado semanalmente, mas o empresário alerta que a persistência e foco são essenciais. “Vir todos os dias na academia não é uma maravilha, a gente vem porque tem objetivo e está sempre em busca dele”, alerta.
Se engana, porém, quem acredita que apenas jovens têm essa obsessão ou frequentam academias. Quem tenta adivinhar quantos aniversários já foram celebrados, por dona Zilma Covatti dificilmente acerta. Aos 78 anos de idade e com uma disposição e saúde de criança impressionantes, a professora aposentada de Letras e Filosofia pratica exercícios três vezes por semana, onde encontra novas amizades pelo convívio na academia.
Sem aparentar a idade, pela disposição, pedala durante 30 minutos na bicicleta e faz exercícios leves para os braços com acompanhamento profissional e adequados para sua idade. “Gosto de fazer atividade física e há oito anos que vou na academia principalmente pela saúde”, recorda Zilma.

Ao seguir o exemplo de Dona Zilma, Anacleto deseja ter um envelhecimento saudável no futuro. “Espero não parar mais de treinar, porque a atividade física é essencial para tudo, e nem é só estética, o essencial é a saúde e com ela a disposição que vem ao natural, para ter um envelhecimento saudável”, finaliza o empresário.